fbpx

Manifesto: Alfabetização em Domicílio é um artigo que, sobretudo destaca a importância de alfabetizar a população, principalmente a adulta trabalhadora, ou pessoas que possuam algum tipo de limitação de acesso. Afirma o autor: “uma das maiores e mais férteis planícies para cultivar um projeto de Alfabetização em Domicílio é a Universidade.”

Por Adelino Soares Santos Machado

Dentre os serviços de utilidade pública relevantes ao desenvolvimento social de uma sociedade, destacaria a ideia de alfabetizar a população, principalmente a adulta trabalhadora, ou pessoas que possuam algum tipo de limitação de acesso. Vislumbro essa prática imaginando parcerias entre Escolas, Universidades, Organizações Governamentais e Não Governamentais e cidadãos voluntários que reconhecem no processo educacional, o combate a violência, ao racismo, a desconcentração de renda e o fortalecimento de valores democráticos.

A iniciativa faz sentido e reforça os desejos cultivados nas páginas dos livros e que dão vida e asas às nossas “teorias pedagógicas” ou mesmo as discussões em torno de “cidadania participativa”. Inicialmente caberiam perguntas, que consequentemente exigiriam respostas das mentes simpatizantes ao pleito. O que é necessário para que uma Instituição educacional pública encampe esse projeto, perante determinada sociedade? Contemporaneamente, que grau de empatia nos levaria (nós trabalhadores privados, educadores, demais servidores públicos) a colocar isso como meta e atingir ações afirmativas desta natureza?

Na prática, como e por quem seriam elaboradas atividades de planejamento, execução e desenvolvimento efetivo de “multiletramentos sociais” inicialmente desinteressados? E o nosso “ato pedagógico”, que não é só ação de pedagogo, ou pedagoga, mas de qualquer investida que propicie esclarecimento, reflexão, como seria aplicado num projeto assim? No nosso caso, profissionais de educação, que pedagogia desenvolvemos ou devolvemos à sociedade contemporânea? A nossa insistente cobrança de leitura em sala de aula, não deveria sair dela e chegar até as pessoas nas ruas, em suas casas?

O país como um todo, a começar pelo órgão educacional principal, que é o Ministério da Educação, possui todas as ferramentas, ao alcance de todos. Mas uma das maiores e mais férteis planícies para cultivar um projeto de Alfabetização em Domicílio é a Universidade. Ela tem recursos humanos e materiais, tem tempo, tem potencial e com ela podemos contribuir para fazer a diferença, em favor da coletividade, que financia com seu suor a educação nacional.

Realizei várias pesquisas pela rede mundial de computadores e não encontrei, até o momento, uma experiência, que pudesse servir de inspiração. Mas, a minha inabilidade de pesquisa não tem relevância e não impede caminhar, ainda que se imagine ser desconhecido o desafio. Alfabetizar as pessoas, colaborar com a utilização de tecnologias para produzir conhecimento, ao invés apenas do entretenimento, é possível que seja mais que uma prestação de serviço, mas também sentimento de dever constitucional cumprido e satisfação pessoal/institucional ativada.

Então vamos promover uma situação concreta, já que teoricamente é consenso que uma sociedade alfabetizada, esclarecida, participativa e conhecedora se auto evolui. Imaginemos uma região devidamente mapeada, um bairro, o setor Tomazinho, olhado de cima formando uma grande “sala de aula virtual! Ali atuam agentes comunitários de saúde, agentes do conselho tutelar, entre outros agentes. Esse território pode ser organizado em várias “salas de aula” e nelas atuarem “agente de leitura”, ou “agente alfabetizador”, ou os dois personagens integrados na atividade de ler e escrever com a população.

A implementação de um projeto de Alfabetização Domiciliar demandaria articulação sócio-institucional e planejamento, que conste de prévio diagnóstico, levantamentos de público-alvo, mapeamento de locais, análises, e definições de grupos, por níveis de aprendizado. Ações desta natureza sustenta-se em aportes teóricos tais como, Teberosky 2004, p. 42, que afirma acerca do que ela chama de “leitura dialógica”:

A leitura dialógica não se reduz ao espaço da aula, mas abrange mais espaços: inclui a variedade de práticas de leitura, que podem ser realizadas na biblioteca, em atividades extra-escolares, em casa, em centros culturais e outros espaços comunitários, e é realizada com todas as pessoas que interagem nas vida cotidianas de cada menino e de cada menina, dentro ou fora da escola.

Anúncios

O ensinamento da professora Ana Teberosky, projeta luz e motivação, para a continuação do intento que é o de fazer com os alunos do curso de Letras Português/Inglês e os de Pedagogia da UEG de Campos Belos envolvam-se, articulando suas práticas e cargas horárias de Estágio Supervisionado e Extensão Universitária. Um grupo de alunos pode levantar dados em “pranchetas pedagógicas” e um ou mais docentes orientem a direção desses dados a serem tabulados por um “GPS” acadêmico capaz de rastrear novos falantes da língua portuguesa local, prontos a ingressarem no projeto.

Os avanços tecnológicos das duas últimas décadas não podem ser validados, se não houver combate ao analfabetismo com engajamento da sociedade. São muitos os grupos, aos quais foram historicamente negada o exercício básico de domínio da escrita e da leitura. Na lida educacional da formação de professores, aqui na UEG de Campos Belos continuamos na luta pela implantação do projeto de Alfabetização Domiciliar, com tanto material didático disponível em quadros de paredes, propagandas políticas, receitas, marcas diversas, trechos bíblicos, calendários, inscrições de panos de prateleiras.

Alfabetizar é um ato de desenvolvimento humano que reinventa sujeitos e os promovem ao posto de cidadãos mais ativos e participativos. Alfabetizar o povo é trabalhar para ajudar a construir um mundo novo.

Adelino Machado é Professor, Pedagogo, escritor e poeta; Membro efetivo da Alaneg/RIDE one ocupa a cadeira 25 da Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano. É de Campos Belos – Goiás.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É, também, com um percentual dessas vendas, que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, do povo Krenak, em Minas Gerais, do Museu Kalunga Iaiá Procópia, em Goiás e do povo Xavante, no Mato Grosso. Ao comprar em nossa Loja Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Contamos com você! WhatsApp: 61 9 99611193.

Anúncios

 

Anúncios