“Metida não. Empoderada!”

Ana Roberta Uglõ Patté

Feminismo indígena é tema de debate na Unesc

Por Redação Unesc

“Metida não. Empoderada!”. É assim que Ana Roberta Uglõ Patté, índia Xokleng, respondia e responde aos seus irmãos quando a chamam, carinhosamente, de metida. Ana é acadêmica de Direito da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e militante do movimento feminista.

Ela participou de um debate dentro da programação da Semana de Feminismos Marielle Franco, promovido pelo CA (Centro Acadêmico) do curso de História da Unesc. O evento contou com a participação de professores e acadêmicos de diversos cursos de Licenciatura da Universidade, em agosto de 2018.

O objetivo do encontro foi de abordar e desfazer os paradigmas do movimento feminista dentro da cultura dopovo indígena. “Desde pequena eu sempre fui metida, no bom sentido. Sempre envolvida com as causas da aldeia, por isso meus irmãos brincam comigo assim”, comenta.

Incentivada pela mãe, Ana saiu da aldeia para estudar em Florianópolis e conheceu o movimento feminista. “Quando você sai da aldeia, você começa a ver as diferenças. Nossa realidade de vida é diferente. Hoje eu sei o que é o feminismo”, acrescenta.

De acordo com ela, o seu interesse não é o de retirar os costumes do povo indígena, mas sim de criar uma nova política feminista indígena. “Eu penso de que forma levar o feminismo sem ferir os usos da minha aldeia, pois lá se tem costumes que não serão modificados, pois fazem parte da cultura daquele lugar”, comenta.

Segundo Ana, alguns hábitos que as mulheres da aldeia praticam são parte histórica daquele povo. “As mulheres da aldeia têm uma política diferente. O machismo que hoje existe lá dentro, veio de fora, veio do homem branco da cidade. É por esse machismo que lutamos contra, pois ele fere com os costumes que os homens indígenas praticam dentro da aldeia”.

A professora do curso de Direito da Unesc Mônica Ovinski de Camargo Cortina, produziu um recente trabalho que trata sobre os direitos das mulheres indígenas. De acordo com ela, atualmente o avanço nessa área tem aumentado. “Não compete a nós tomar a fala das mulheres indígenas, mas temos que dar espaço e fala para elas. Porém, isso de nada vai adiantar se não tivermos pessoas para escutá-las”, enfatiza.

Segundo Ana, a luta das mulheres dentro e fora da aldeia é constante. “Nós temos que além de aprender com a Universidade, ensinar e ter espaço de fala”. De acordo com ela, está ocorrendo um aumento da participação indígena na UFSC, o que seria um reflexo da luta de muitas pessoas por espaço ao povo indígena.

Ana Roberta Uglõ Patté (SC) mãe, militante e atualmente trabalha como assistente parlamentar em São Paulo, tratando exclusivamente das questões indígenas. Formada em Licenciatura Indígena com ênfase em Direito Indígena pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Grupo Indígena Laklãnõ/Xokleng.

Fonte: Unesc AICOM – Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Camiseta Krenak

Leave a Reply

Your email address will not be published.