A apenas algumas semanas de um processo eleitoral para eleger prefeitos/as e vereadores/as em todos os municípios brasileiros, pensamos ser importante lembrar Antonieta de Barros, a primeira mulher negra eleita deputada no Brasil.

Antonieta de Barros nasceu em Santa Catarina bem no início do século, em 11 de junho de 1901.  Apesar dos tempos, foi jornalista, fundadora e diretora do jornal A Semana (entre 1922 e 1927). De personalidade forte, como teria que ser para sobreviver no mundo machista do início do século,  Antonieta fez valer seu talento e sua capacidade de liderança, tornando-se, no estado de Santa Catarina, a primeira deputada estadual negra do Brasil.

Antonieta veio ao mundo filha de uma escrava liberta e de um jardineiro, somente 13 anos depois do fim da escravidão no Brasil. Seu pai a deixou órfã muito cedo. A mãe, por sobrevivência, tornou-se dona de uma pensão para estudantes em Florianópolis. Entre estudantes, Antonieta se alfabetizou, o que era raro à época.  Disciplinada, Antonieta completou o curso normal e tornou-se professora.

Em 1922,  fundou e passou a dirigir um curso de alfabetização em sua própria casa. Tornou-se respeitada até mesmo pelas famílias brancas da ilha.  Por mais de 20 anos, escreveu para os principais jornais de Santa Catarina. Sob o pseudônimo de Maria da Ilha, publicou o livro Farrapos de Ideias.  Nesse mundo libertário de Antonieta, mulher tinha direito ao voto.  No Brasil, o direito universal ao voto só chegou em 1932. Antonieta se rebelava em seus escritos:

A alma feminina se tem deixado estagnar, por milhares de anos, numa inércia criminosa. Enclausurada por preconceitos odiosos, destinada a uma ignorância ímpar, resignando-se santamente, candidamente, ao deus Destino e a sua congênere Fatalidade, a Mulher tem sido, de verdade, a mais sacrificada metade do gênero humano. Tutelada tradicional, irresponsável pelos seus atos, boneca-bibelot de todos os tempos”.

Em seus 52 anos de vida, Antonieta lutou por três causas centrais:  Educação para todos, valorização da cultura negra e emancipação da mulher. Em 1934, Antonieta fez campanha no  seguinte tom: “Eleitora. Tens em Antonieta de Barros a nossa candidata, o símbolo das mulheres catarinenses, queiram ou não os aristocratas de ontem”. Foi eleita deputada estadual, a primeira deputada negra do Brasil.  Seu mandato foi interrompido pelo ditadura do Estado Novo em 1937. Dez anos depois, em 1947, foi novamente eleita deputada.

Seu exemplo de luta merece maior destaque na historiografia brasileira. Suas lições de luta, resistência e esperança continuam válidas e necessárias nos dias de hoje:

Não será a tristeza do deserto presente que nos roube as perspectivas dum futuro melhor (..), onde as conquistas da inteligência não se degenerem, em armas de destruição, de aniquilamento; onde os homens, enfim, se reconheçam fraternalmente. Será, contudo, quando houver bastante cultura e sólida independência entre as mulheres para que se considerem indivíduos. Só então, cremos existir uma civilização melhor.”

 

Anúncios

Comentários

X
preloader