Caso Adriano e os limites da promiscuidade.

Por Fernando Brito/Tijolaço

É óbvio, exceto para mentes prepotentes a que nos acostumamos no caso da Lava Jato, que não se pode inculpar, com as informações que se tem até agora, Jair Bolsonaro ou seu filho na”queima de arquivo” do ex-capitão Adriano da Nóbrega.

Disso, sim, há indícios extremamente fortes, porque os relatos sobre a operação são inacreditáveis.

Imaginar que um especialista em confronto armado, como Adriano, dispararia de peito aberto contra quatro homens armados de escudos e fuzis é menos crível do que se ele praticasse o suicídio. Tiros de fuzil, a cinco ou seis metros de distância teriam atravessado o corpo e marcado as paredes ou, ao menos, as deixariam salpicadas de sangue.

Isso sem contar a história de um homem que chega a um lugar – sozinho – e se diz comprador de cavalos, recebe hospedagem de um promotor de vaquejadas e que é por ele obrigado a levá-lo a uma casa semiabandonada de um vereador…

Há poucas esperanças de que estas circunstâncias sejam apuradas com isenção, uma vez que o Secretário de Segurança da Bahia e o governador Wilson Witzel já vieram, de público, dizer que tudo se passou assim mesmo, antes mesmo de que perícias e autópsia fossem feitas.

Há, porém, o lado político das ligações de intimidade entre Nóbrega e os Bolsonaro.

Mulher e filha do miliciano não foram contratadas, como alegam os advogados de Flávio, “quando ele era um herói e ficha limpa”. Elas não transitaram dinheiro pelas mão de Fabrício Queiroz para comprar copos plásticos para o gabinete, nem foram emitidas quando a coisa “fedeu” pelo caso das “rachadinhas”.

Discursos e medalhas deixam clara a relação entre o presidente e seu filho com ele, tanto solto quanto preso.

Os círculos do dinheiro, que toleravam Jair Bolsonaro como o capataz necessário, agora o aceitarão como o miliciano útil.

E os generais, antes tão ciosos de honra e dignidade, engolirão seus escrúpulos e seguirão garantindo que o “Escritório do Crime” esteja cada dia mais próximo de se tornar o Gabinete do Crime.

Fonte. DCM via Tijolaço

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826Camiseta Lula Cadê a Prova 

 

Anúncios

One Response

  1. Anthony Soares

    Sejamos realistas, Adriano tinha vínculo quase que parental com o clã Bolsonaro, obviamente, Witzel será o algoz, uma vez que seu objetivo de acabar com a milícia do RJ foi uma das razões que causou a morte do miliciano. No entanto, não fez nada de errado, manteve sua palavra e agiu com a justiça que lhe coube nesse caso, ja que a verdadeira justiça se mantém em omissão, como sempre.

    Responder

Comentários