Joacir d’Abadia: O grito de liberdade

Uma chusma de gente grita: “queremos ser livres!” Mas a isto não acresce nada ao seu ser enquanto homens que pensam, visto que seus clamores elevam somente as suas vozes levando cada gritante a ser para si mesmo um mendaz. Com tal fuga o mentiroso se debruça a uma imitação de balbucio, o qual não toma seu significado original, que seria em buscar de forma comunitária algo que os libertem: a própria libertação.

Nesta euforia do homem em relação a sua falsa liberdade encontra-se uma herança não de patrimônio, mas sim de conceitos evasivos que dizem, estritamente, ao ópio dos falsos: “queremos, sem querer, ser livres”.

Não pode de forma alguma, esbandalhar o sentido único que principia o verdadeiro e imutável significado do que seja a liberdade.

Embora, gritos ecoem pedindo que os homens sejam livres, eles não chegam ao tocante do desejo humano, pois esvai na extensão do mundo sem serem acolhidos pelas suas entranhas.

Assim, permanecem só os gritos. E só a eles escutam. Mas, contudo, porque gritar sem o desejo de concretizar aquilo que se pede: a liberdade. Não parece incongruência? Pode acreditar que sim! É realmente palavra solta ao ar com um objetivo: a algazarra.

Se os gritantes pedissem mesmo a liberdade eles, pobres coitados, jamais seriam atendidos por completo. Acredite, é verdade! Pois recebendo, aos gritos, a liberdade, ficariam presos à própria liberdade. Agora cabe a objeção: que é liberdade para este populacho de gente que grita pedindo-a? Deve que eles pedem que os deixem somente pedir!

Assim, nem todos que pedem realmente querem. Fique, portanto, de cautela, atentos com os seus gritos inócuos.

ANOTE AÍ:

 

 

Joacir d’Abadia, Pároco de Alto Paraíso-GO, Diocese de Formosa-GO.
_______________________________________
Filósofo, Escritor, articulista e Especialista em Docência do Ensino Superior.

Imagem interna: Arteide, fornecida pelo autor.

About The Author

Joacir S. d'Abadia

Related Posts

Deixe uma resposta