“Permita que a lei te ligue ao amor para você saber ler, na experiência das relações humanas, a paz social.” – Padre Joacir d´Abadia
Olá meu querido leitor, olá minha querida leitora!
Neste momento gostaria de te chamar a atenção para um tema muito importante que necessita de seu amor na observância do mesmo. Acredito que você já tenha ouvido muitas pessoas dizerem: “isso não pode” ou “isso pode”. Ou seja, cada pessoa agindo deste modo está assumindo em sua vida “a lei”. O que é, todavia, a lei?
Numa busca rápida pela internet é fácil encontrar explicação para o vocábulo “lei”: “Lei  do verbo latino ligare, que significa “aquilo que liga”, ou legere, que significa “aquilo que se lê” é o conjunto de normas recolhidas e escritas, baseadas na experiência das relações humanas, que servem para ligar os factos ou os acontecimentos ao direito, em ordem à paz social” (cf. Wikipédia).
Quando lemos que lei é regra, prescrição escrita que emana da autoridade soberana de uma dada sociedade e impõe a todos os indivíduos a obrigação de submeter-se a ela sob pena de sanções, nós trememos. Volta outra vez no mesmo dilema:  “isso não pode” ou “isso pode”.
O sociólogo Walace Ferreira diz que “Aristóteles defende a presença de leis escritas, entendendo-as como fontes seguras da aplicação do justo por parte dos juízes, reduzindo suas arbitrariedades.
Afinal, diz ser prudente desconfiar da imparcialidade dos juízes, pois seus julgamentos correm o risco de serem deformados por sentimentos humanos como a simpatia ou o medo” (Justiça e Direito em Platão, Aristóteles e Hobbes).
Fica afirmando que a lei é esta imposição fria, sem sentimento que trás sérias penas a quem não a obedece: “seus julgamentos correm o risco de serem deformados por sentimentos humanos como a simpatia ou o medo”.
Esta lei, sem sentimentos, friamente pode ser estacionada nos corações humanos possibilitando-nos tão somente a observância da lei por medo das sanções punitivas que ela trás sem que sejamos educados para o cumprimento.
Nem mesmo a Sagrada Palavra está excluída de não haver julgamentos frios: “… estão fazendo, o que não é permitido fazer…” (cf. Mt 12,1-8). Assim, caro leitor fiel, é necessário seu amor na observância da lei para que ela seja “mais humana” e ganhe vida além do “isso não pode” ou “isso pode”. Permita que a lei te ligue ao amor para você saber ler, na experiência das relações humanas, a paz social.
Padre Joacir d’Abadia – Filósofo
Pe. Joacir Soares d’Abadia, Pároco em Formosa-GO, Especialista em Docência do Ensino Superior, Bacharel em Filosofia e Teologia, Licenciando em Filosofia, membro do Conselho de “Pesquisas e Projetos” (UnB Cerrado), membro do Conselho de Presbíteros, Coordenador da Pastoral da Educação e Coordenador dos Padres do Setor IV. Escreve para os jornais: “Alô Vicentinos” (Formosa-GO) e “Carta de notícias” (Posse-GO). É o fundador do jornal “Ecos da chapada” (Alto Paraíso-GO). Ganhou, em 2011, o Concurso Internacional de Filosofia da “Revista Digital Antorcha Cultural” da Argentina e têm 4 obras publicadas no exterior. É autor 8 livros: “Opúsculo do conhecer” (Cidadela); “A caridade e o problema da pobreza na periferia” (Agbook); “A Igreja do ressuscitado” (Virtual Books); “Contos de barriga cheia” (Cidadela); “O eu autor” (B24horas); “Taffom Érdna: romance com a sabedoria” (Palavra e Prece); “A Filosofia ao cair da folha” (Cidadela) e “Riqueza da Humanidade” (B24horas). Contato: WhatsApp (61) 9 9315433 ou joacirsoares@hotmail.com
Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826. Camiseta Krenak 

One Response

  1. Marília Canabrava

    O “pode” e o “não pode” amorosamente abordados neste excelente e oportuno texto, deveria ser observado na linguagem do autor quando descuida da concordância pronominal entre tu/você: Tu, pode com teu; você, com seu.

    Responder

Comentários

%d blogueiros gostam disto: