O “pode” e o “não pode” – “Permita que a lei te ligue ao amor para você saber ler, na experiência das relações humanas, a paz social.” – Padre Joacir d´Abadia
Olá meu querido leitor, olá minha querida leitora!
Neste momento gostaria de te chamar a atenção para um tema muito importante que necessita de seu amor na observância do mesmo. Acredito que você já tenha ouvido muitas pessoas dizerem: “isso não pode” ou “isso pode”. Ou seja, cada pessoa agindo deste modo está assumindo em sua vida “a lei”. O que é, todavia, a lei?
Numa busca rápida pela internet é fácil encontrar explicação para o vocábulo “lei”: “Lei  do verbo latino ligare, que significa “aquilo que liga”, ou legere, que significa “aquilo que se lê” é o conjunto de normas recolhidas e escritas, baseadas na experiência das relações humanas, que servem para ligar os factos ou os acontecimentos ao direito, em ordem à paz social” (cf. Wikipédia).
Quando lemos que lei é regra, prescrição escrita que emana da autoridade soberana de uma dada sociedade e impõe a todos os indivíduos a obrigação de submeter-se a ela sob pena de sanções, nós trememos. Volta outra vez no mesmo dilema:  “isso não pode” ou “isso pode”.
O sociólogo Walace Ferreira diz que “Aristóteles defende a presença de leis escritas, entendendo-as como fontes seguras da aplicação do justo por parte dos juízes, reduzindo suas arbitrariedades.
Afinal, diz ser prudente desconfiar da imparcialidade dos juízes, pois seus julgamentos correm o risco de serem deformados por sentimentos humanos como a simpatia ou o medo” (Justiça e Direito em Platão, Aristóteles e Hobbes).
Fica afirmando que a lei é esta imposição fria, sem sentimento que trás sérias penas a quem não a obedece: “seus julgamentos correm o risco de serem deformados por sentimentos humanos como a simpatia ou o medo”.
Esta lei, sem sentimentos, friamente pode ser estacionada nos corações humanos possibilitando-nos tão somente a observância da lei por medo das sanções punitivas que ela trás sem que sejamos educados para o cumprimento.
Nem mesmo a Sagrada Palavra está excluída de não haver julgamentos frios: “… estão fazendo, o que não é permitido fazer…” (cf. Mt 12,1-8). Assim, caro leitor fiel, é necessário seu amor na observância da lei para que ela seja “mais humana” e ganhe vida além do “isso não pode” ou “isso pode”. Permita que a lei te ligue ao amor para você saber ler, na experiência das relações humanas, a paz social.
Padre Joacir d’Abadia – Filósofo
Pe. Joacir Soares d’Abadia, Pároco em Formosa-GO, Especialista em Docência do Ensino Superior, Bacharel em Filosofia e Teologia, Licenciando em Filosofia, membro do Conselho de “Pesquisas e Projetos” (UnB Cerrado), membro do Conselho de Presbíteros, Coordenador da Pastoral da Educação e Coordenador dos Padres do Setor IV. Escreve para os jornais: “Alô Vicentinos” (Formosa-GO) e “Carta de notícias” (Posse-GO). É o fundador do jornal “Ecos da chapada” (Alto Paraíso-GO). Ganhou, em 2011, o Concurso Internacional de Filosofia da “Revista Digital Antorcha Cultural” da Argentina e têm 4 obras publicadas no exterior. É autor 8 livros: “Opúsculo do conhecer” (Cidadela); “A caridade e o problema da pobreza na periferia” (Agbook); “A Igreja do ressuscitado” (Virtual Books); “Contos de barriga cheia” (Cidadela); “O eu autor” (B24horas); “Taffom Érdna: romance com a sabedoria” (Palavra e Prece); “A Filosofia ao cair da folha” (Cidadela) e “Riqueza da Humanidade” (B24horas). Contato: WhatsApp (61) 9 9315433 ou joacirsoares@hotmail.com
——————————————————————————————————————————————————–

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

Uma Resposta

  1. Marília Canabrava

    O “pode” e o “não pode” amorosamente abordados neste excelente e oportuno texto, deveria ser observado na linguagem do autor quando descuida da concordância pronominal entre tu/você: Tu, pode com teu; você, com seu.

[instagram-feed]
[instagram-feed]