… aquela morrida na idade certa, assim como cai a fruta madura do pé…

Por:  Maria Félix Fontele

Nem sei o que dizer. Porque tudo o que eu disser é pouco ou incompleto para traduzir o momento em que vivemos, entre lama, lágrimas, incêndios e catástrofes de toda ordem, cujas dimensões avassaladoras causam-nos dor e perplexidade.

Parece que está cada vez mais difícil morrer de morte comum, aquela morrida na idade certa, assim como cai a fruta madura do pé. Hoje, jovens estão entrincheirados e quem não viveu o suficiente padece debaixo da lama, do fogo e da insensatez.

Que essa nuvem que paira sobre nós, talvez formada pelas águas da insanidade, da falta de amor ao próximo e do obscurantismo, cuide de se afastar daqui o mais rápido possível. Ou merecemos mais tragédias e precipícios?

 ANOTE AÍ!
O texto acima, publicado por Maria Félix em sua página no Facebook é um soco no estômago, corta na alma…
Maria Félix Fontele, poetisa, jornalista, editora, escritora e ghost writer na empresa  Marianete, trabalhou como chefe de reportagem no jornal Correio Braziliense, da capital federal do Brasil e também no Governo do Distrito Federal. Maria Felix Fontele é casada com o poeta e cordelista Gustavo Dourado, presidente de Academia Taguatinense de Letras do Distrito Federal, com Gustavo Dourado, com quem tem dois filhos: Gustavo e Elias.
Foto interna: Acervo Maria Felix Fontele
Foto de capa: Bombeiros buscando corpos em Brumadinho – EBC

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.