Por Hugo de Carvalho Ramos

O lote derradeiro desembocou num chouto sopitado do fundo da vargem e veiu a trouxe-mouxe enfileirar-se, sob o estado de relho, na outra aba do rancho, poucas braças adeante da barraca do patrão.

O Joaquim Culatreiro, atravessando sem parar o pirahy na facha encarnada da cinta, entre a “espera” da garrucha e a nickelaria da franqueira, desatou com presteza as bridas das cabresteiras, foi prendendo às estacas a mulada, e afrouxou os cambitos, deitando abaixo arrochos e ligáes, emquanto um camarada serviçal dava a mão de ajuda na descarga dos surrões.

O tropeiro empilhou a carregação fronteira aos fardos do dianteiro, e recolheu depois uma a uma as cangalhas suadas ao alpendre. Abriu após um couro largo no terreiro, despejou por cima meia quarta de milho, ao tempo que o resto da tropa ruminava em embornaes a ração daquela tarde.

O cabra, atentando na lombeira da burrada, tirou dum surranzito de ferramentas, mettido nas bruacas da cosinha, o chifre de tutano de boi, e armado duma dedada percorreu todo o lote, curando aqui uma pisadura antiga, ali raspando, com a aspereza dum sabuco, o dolorido dum inchaço em princípio, aparando além com o gume do frême os rebordos das feridas de máo caracter.

Só então tornou à roda dos camaradas, ao pé do fogo do cozinheiro, no interior do rancho, onde chiava atupida a chocolateira aromatizada do café. A tarde morria nuns visos de crepúsculo pelas bandas da baixada. A mulada remoía nas estacas, e junto ao couro de milho um ou outro animal mais arteiro e manhoso escoucinhava e mordia os demais, no afan do maior quinhão.

(…)

  • A gente quanto mais vive, mais aprende, já dizia minha avó. Assombramentos, tenho ouvido casos, verdade seja. Mas as mais das vezes falta de coragem, turvação de medo e da bebida… Maluquice, anda à toa pelo mundo da Virgem; não fora meu ânimo, hoje zanzaria por ahi, nessas bamburras, “gira” varrido. (…)

Em Tropas e Boiadas – Z.E.R. 3ª Edição – São Paulo – Rio – Bahia

 

RELEITURA DO TEXTO E DA VIDA DO AUTOR

            Nós, formosenses, sabemos que nossa cidade surgiu como entreposto de comércio de couro e pouso de tropas. Explica-se, então, trazer este excerto do tesouro literário goiano para a visagem de todos.

Reparem bem na grafia da época e, com um pouco de boa vontade, pode-se bem entender e interpretar que o texto tem por narrador um tropeiro, conta a rotina de sua lida com os muares e com a cangalha. Também podemos ver que desde sempre o imaginário popular sobressai-se através das crendices. Bom saber como era, como foi a vida dos que adentraram o inóspito sertão cerratense de nosso Goiás.

Hugo de Carvalho Ramos era filho do juiz e poeta Manoel Lopes de Carvalho Ramos e de Mariana Fenelon Ramos.  Nasceu em 21 de maio de 1895, em Villa Boa de Goyaz, hoje Cidade de Goiás, e desde cedo apresentou tendência e fascínio pela literatura.

Foi também da escola da Mestra Silvina Ermelinda Xavier de Brito (A quem Cora dedicou poema). Fase em que conviveu com ilustres colegas tais como: Benjamin Vieira, Breno Guimarães, Cora Coralina, Leão Caiado, Vítor de Carvalho Ramos (seu irmão) e outros não menos ilustres. Sabe-se que alguns de seus contos mais conhecidos foram escritos aos quinze ou dezesseis anos. Em 1917 publicou Tropas e Boiadas, uma coletânea de contos de inspiração sertaneja, que mereceu referências elogiosas da crítica nacional.

Em 1920, estando prestes a concluir o curso jurídico e estando já abatido por crise de depressão, viajou ao interior de Minas Gerais e São Paulo. No ano seguinte, novamente de volta ao Rio de Janeiro, vítima da angústia e da depressão, cometeu suicídio em 12 de maio de 1921.

A 31 de janeiro de 1999, um seleto júri selecionado pelo jornal mais importante do estado de Goiás, O Popular, de Goiânia, incluiu a sua obra imortal, Tropas e Boiadas (1917), dentre as vinte obras literárias mais importantes do século XX, em Goiás, tendo obtido o primeiro lugar com “10 menções” por parte do júri.

Hugo de Carvalho Ramos (*1895 +1921 – 25 anos).

Releitura por Iêda Vilas-Boas – Escritora. Membro do Conselho Editorial da Revista Xapuri.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611-6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: