Caminho das tropas

Por Hugo de Carvalho Ramos

O lote derradeiro desembocou num chouto sopitado do fundo da vargem e veiu a trouxe-mouxe enfileirar-se, sob o estado de relho, na outra aba do rancho, poucas braças adeante da barraca do patrão.

O Joaquim Culatreiro, atravessando sem parar o pirahy na facha encarnada da cinta, entre a “espera” da garrucha e a nickelaria da franqueira, desatou com presteza as bridas das cabresteiras, foi prendendo às estacas a mulada, e afrouxou os cambitos, deitando abaixo arrochos e ligáes, emquanto um camarada serviçal dava a mão de ajuda na descarga dos surrões.

O tropeiro empilhou a carregação fronteira aos fardos do dianteiro, e recolheu depois uma a uma as cangalhas suadas ao alpendre. Abriu após um couro largo no terreiro, despejou por cima meia quarta de milho, ao tempo que o resto da tropa ruminava em embornaes a ração daquela tarde.

O cabra, atentando na lombeira da burrada, tirou dum surranzito de ferramentas, mettido nas bruacas da cosinha, o chifre de tutano de boi, e armado duma dedada percorreu todo o lote, curando aqui uma pisadura antiga, ali raspando, com a aspereza dum sabuco, o dolorido dum inchaço em princípio, aparando além com o gume do frême os rebordos das feridas de máo caracter.

Só então tornou à roda dos camaradas, ao pé do fogo do cozinheiro, no interior do rancho, onde chiava atupida a chocolateira aromatizada do café. A tarde morria nuns visos de crepúsculo pelas bandas da baixada. A mulada remoía nas estacas, e junto ao couro de milho um ou outro animal mais arteiro e manhoso escoucinhava e mordia os demais, no afan do maior quinhão.

(…)

– A gente quanto mais vive, mais aprende, já dizia minha avó. Assombramentos, tenho ouvido casos, verdade seja. Mas as mais das vezes falta de coragem, turvação de medo e da bebida… Maluquice, anda à toa pelo mundo da Virgem; não fora meu ânimo, hoje zanzaria por ahi, nessas bamburras, “gira” varrido. (…)

Em Tropas e Boiadas – Z.E.R. 3ª Edição – São Paulo – Rio – Bahia

continua depois da propaganda

 

RELEITURA DO TEXTO E DA VIDA DO AUTOR

            Nós, formosenses, sabemos que nossa cidade surgiu como entreposto de comércio de couro e pouso de tropas. Explica-se, então, trazer este excerto do tesouro literário goiano para a visagem de todos.

Reparem bem na grafia da época e, com um pouco de boa vontade, pode-se bem entender e interpretar que o texto tem por narrador um tropeiro, conta a rotina de sua lida com os muares e com a cangalha. Também podemos ver que desde sempre o imaginário popular sobressai-se através das crendices. Bom saber como era, como foi a vida dos que adentraram o inóspito sertão cerratense de nosso Goiás.

Hugo de Carvalho Ramos era filho do juiz e poeta Manoel Lopes de Carvalho Ramos e de Mariana Fenelon Ramos.  Nasceu em 21 de maio de 1895, em Villa Boa de Goyaz, hoje Cidade de Goiás, e desde cedo apresentou tendência e fascínio pela literatura.

Foi também da escola da Mestra Silvina Ermelinda Xavier de Brito (A quem Cora dedicou poema). Fase em que conviveu com ilustres colegas tais como: Benjamin Vieira, Breno Guimarães, Cora Coralina, Leão Caiado, Vítor de Carvalho Ramos (seu irmão) e outros não menos ilustres. Sabe-se que alguns de seus contos mais conhecidos foram escritos aos quinze ou dezesseis anos. Em 1917 publicou Tropas e Boiadas, uma coletânea de contos de inspiração sertaneja, que mereceu referências elogiosas da crítica nacional.

continua depois da propaganda

Em 1920, estando prestes a concluir o curso jurídico e estando já abatido por crise de depressão, viajou ao interior de Minas Gerais e São Paulo. No ano seguinte, novamente de volta ao Rio de Janeiro, vítima da angústia e da depressão, cometeu suicídio em 12 de maio de 1921.

A 31 de janeiro de 1999, um seleto júri selecionado pelo jornal mais importante do estado de Goiás, O Popular, de Goiânia, incluiu a sua obra imortal, Tropas e Boiadas (1917), dentre as vinte obras literárias mais importantes do século XX, em Goiás, tendo obtido o primeiro lugar com “10 menções” por parte do júri.

Hugo de Carvalho Ramos (*1895 +1921 – 25 anos).

Releitura por Iêda Vilas-Boas – Escritora. Membro do Conselho Editorial da Revista Xapuri.

Sobre a Autora

Escritora. Presidenta da Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano - ALANEG.  Iêda é também estudiosa da vida e obra de Cora Coralina. 

continua depois da propaganda
Slide 1

HORA DE VESTIR A CAMISA DO LULA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

 

<

p style=”text-align: justify;”> 

continua depois da propaganda