Por Zezé Weiss

Minha família e eu chegamos a Formosa no início dos anos 1970. Pra quem tinha apenas 15 anos e vinha de Riolândia, uma minúscula cidadezinha agrícola à beira do Rio Grande, no interior de São Paulo, os casarões de Formosa pareciam coisa do outro mundo. Hoje quase extintos, eles eram lindos, esplêndidos!

Moramos em dois deles, ambos com assoalho de tábuas, telhado coberto por telhas comuns e lindos janelões coloniais, pintados de azul. Um dava começo à rua do cartório do Clarival de Miranda, saindo da Praça da Matriz, ali onde fica agora o prédio modernoso em que funciona a Caixa Econômica Federal.

O outro ficava bem na esquina da Rua Visconde de Porto Seguro com a Emílio Póvoa. Era imenso, crescia na lateral até dar de frente com a Casa Domingues, loja do seu Antero Domingues, que já existia naqueles tempos. O dono do casarão era o seu Odílio Braga, pai da Taninha e sogro do Mário Miguel, que moravam e tinham uma loja de móveis também na Visconde, do outro lado da rua.

Bem à moda antiga, existia na casa um alpendre, ao lado do meu quarto e se estendendo até a entrada do salão enorme que dava acesso aos demais quartos e ao restante da casa. Ali dormia o Antônio Latinha (ex-combatente da Força Expedicionária Brasileira na II Guerra – segundo diziam), que chegava todo dia antes da meia noite, retirava sua tralha de uma mala surrada e se acomodava para o sono. Em volta do leito improvisado ele colocava muitas latinhas, como que cercando o seu “abrigo de guerra”.

Bem cedinho, Antônio começava um ritual de bater as latinhas no chão e umas nas outras, ao tempo em que murmurava palavras incompreensíveis e guardava tudo na mala. Era o nosso despertador, e muitas vezes saíamos para a escola com ele ainda lá, batendo as latinhas. Nenhum medo, só um respeito enorme por aquele homem, cuja história ninguém sabia direito, mas seguramente era de muita importância, dizia nossa mãe.

Foi com seu Odílio que descobri o sofisticado ritual da procissão do enterro, tão diferente dos raros e singelos funerais dos tempos de Riolândia. Em Formosa, grande parte dos sepultamentos eram precedidos de procissão, a pé, da Catedral até o cemitério da Praça da Concórdia, com seu Odílio à frente, puxando as rezas, organizando a procissão. Em respeito ao finado, as lojas cerravam as portas para a passagem, os homens tiravam os chapéus, coisa ainda em voga naquela época.

Na mesma Visconde, bem mais pra baixo, existia outro ser humano ímpar, chamado Miguel das Abóboras. Não sei bem como o conheci, mas foi de Miguel das Abóboras que ouvi pela primeira vez a palavra ciclovia. Mangavam muito dele por conta daquela ideia fixa de fazer de Formosa uma cidade ecológica, movida a bicicletas.

Zezé Weiss – Jornalista

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

One Response

  1. Marinalda da aparecida

    Fico feliz com a historia contada por Zezé,conheci parte dessa Formosa qdo saia daqui pra visitar meus tios de criação Dito Branco e didinha lena como eram chamados.pais de Delzio ,Delmar.,Dario e Dilena.qta saudades

    Responder

Comentários

%d blogueiros gostam disto: