fbpx

Arroz-doce moreno à moda antiga

“O português com seu gênio de assimilação trouxera para sua mesa alimentos, temperos, doces, aromas, cores, adornos de pratos, costume e ritos de alimentação das mais requintadas civilizações do Oriente e do Norte da África. Esses valores e esses ritos se juntaram a combinações já antigas de pratos cristãos com mouros e israelitas (…)”.
(Gilberto Freyre in Manifesto Regionalista,1926.)

Por Lúcia Resende

Arroz-de-leite ou arroz-doce é um prato que costuma frequentar as mesas brasileiras, seja como merenda ou sobremesa. Estudiosos apontam que a iguaria tem origem na culinária africana, cuja matriz é diversa e certamente vai além do dendê ou das pimentas. Na verdade, a ampla doçaria da costa mediterrânea da África espalhou-se pela Europa, aqui chegando com o colonizador.

Branco ou moreno, o arroz-doce tradicional dispensa acréscimos além dos ingredientes básicos usados por nossas avós. Nada de coco ralado ou leite condensado, por exemplo. O segredo da cremosidade está no modo de fazer.

A receita vem sendo passada de geração a geração, e o pulo do gato ensinado por avós, mães, tias e amigas. Dessa forma, essa delícia vai se perpetuando pela oralidade na cultura gastronômica brasileira.

Anúncios

Nossa receita, por exemplo, vem da dona Odete Vilas Boas, minha mãe, doceira de primeira, que ensinou a mim e a muita gente o segredo. Mas deixemos de prosa e vamos ao ensinamento!

Ingredientes

1 litro de leite

1 xícara (chá) de arroz

3 xícaras de água

1 ½ xícara de açúcar

1 pitada de sal

4 ou 5 cravos-da-índia

Canela para polvilhar

Modo de fazer

Em uma panela, coloque a água para ferver. Em seguida, acrescente o arroz e deixe cozinhar. Em outra panela, caramelize o açúcar, acrescente o leite e a pitada de sal e deixe ferver enquanto o arroz cozinha. Cozido o arroz, vá colocando sobre o leite, aos poucos, mexendo devagar. Depois, é só acrescentar o cravo e deixar ferver, mexendo sempre, para não grudar no fundo. Quando estiver bem cremoso, despejar numa vasilha e polvilhar com canela. Pode ser servido quente, frio ou gelado, conforme o gosto. Pra mim, não há como resistir ao arroz-doce fumegando num pratinho de sobremesa… hummmm!

 —————————————————————————————————————————–

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

 

Anúncios

Uma Resposta

  1. Raquel

    Vou tentar nao sei se vou
    Consiguir posso fazer sm canela.