O folclorista Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), assim explica o surgimento da culinária afro-brasileira: “Nascida da saudade dos escravos por sua terra natal, no calor dos fogões mulatos e mestiços, em todo o Brasil e especialmente na Bahia, forjou-se uma culinária de adaptação franca e engenhosa”.

Segundo Câmara Cascudo, “ao receituário de ovos e de azeite doce de oliva português, agregou-se o azeite de dendê africano, o coco e o leite de coco trazido das Índias, a mandioca indígena e os frutos e frutas da terra.” Daí vem, portanto, o uso do dendê, ou azeite de cheiro que, para a Dona Flor de Jorge Amado tem “cor de ouro velho, a cor do vatapá”.

Na Bahia, o uso desse azeite sagrado de coloração avermelhada, cuja origem milenar (há registros de seu uso nas cortes dos faraós do Egito há pelo menos 5 mil anos) remonta à sabedoria ancestral dos povos da África negra, tornou-se tão fundamental que os alimentos produzidos com o seu uso são chamados de “comidas de azeite”.

Dentre as “comidas de azeite” da Bahia, destacam-se o abará, o acarajé, o bobó de camarão, a casquinha de siri, a farofa amarela, a moqueca de peixe e o vatapá. Embora seja trabalhoso, é possível fazer o acarajé, umas das “comidas de azeite” mais apreciadas, usando o liquidificador que você tem em casa. Veja esta receita de Bela Gil, apresentada no Canal GNT:

(www.gnt.globo.com/receitas/receitas/aprenda-fazer-um-acaraje-tradicional-no-liquidificador.htm).

Ingredientes

xícara de feijão fradinho

1 cebola pequena

1 colher (chá) de sal marinho

Azeite de dendê

Modo de preparo

Lave o feijão fradinho e deixe de molho por 8 horas numa tigela.

Descasque o feijão e deixe secar na peneira por 1 hora.

Em um liquidificador, bata a cebola cortada, o sal e o feijão descascado (nessa mesma ordem) até virar um creme.

Despeje a massa em uma bacia e bata com uma colher de pau até ficar com uma consistência de mousse.

Com a ajuda de uma colher de pau, forme os bolinhos e frite no azeite de dendê por 5 a 10 minutos até ganhar uma casquinha grossa e crocante.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Camiseta Maria Bonita

Comentários

%d blogueiros gostam disto: