Baião-de-Dois – “Cozinha-se o feijão com os temperos: toucinho, carne-de-sol, charque e um refogado de cebola e alho feito em azeite doce.” Taí uma linda receita do tradicional Baião-de-Dois nordestino, conforme o ensinamento da escritora Rachel de Queiroz em seu clássico livro “O Não Me Deixes”.

Por Rachel de Queiroz

O baião de dois – traduzindo: arroz com feijão – é um dos pratos tradicionais da cozinha nordestina. Claro que não é a simples mistura do feijão cozido com arroz cozido.

Tem preparo específico, o feijão com seu próprio tempero e determinado ponto de cocção recebendo o arroz, que cozinha naquele caldo de feijão enriquecido.

Existem várias maneiras de fazer o baião-de-dois, mas essa é a que usamos no Não Me Deixes:

Para duas partes de feijão (de preferência feijão-de-corda maduro), uma parte de arroz.

Cozinha-se o feijão com os temperos: toucinho, carne-de-sol, charque e um refogado de cebola e alho feito em azeite doce.

Quando o feijão estiver cozido, põe-se o arroz e deixa-se em fogo brando. Acrescenta-se cheiro verde (coentro e cebolinha) e, pouco antes de tirar do fogo, enfiam-se pedaços de queijo (como palitos) até que derretam.

Não se esquecer, quando o baião estiver pronto, de jogar por cima uma boa porção de torresmo.

 

Rachel de Queiroz. Escritora. Em O Não Me Deixes – suas histórias e sua cozinha. Editora Siciliano. 2000.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Comentários