Quitanda antiga, e boa!

Em Minas, provavelmente seu berço, o nome mais conhecido é biscoito de polvilho. Em Cavalcante, interior de Goiás, galho. No Centro-Oeste, peta. E ainda há quem chame de biscoito voador ou biscoito de vento essa delícia que agrada o paladar de um canto a outro do país.

A origem certa não se sabe, mas há registros de que a quitanda já estava presente entre as guloseimas preparadas pelas cozinheiras das fazendas das Gerais no século 18.

Especula-se que o nome biscoito provavelmente chegou até nossa língua pelo termo francês “biscuit”, mas de toda forma a gênese é o latim: bis(duas vezes) + coctus (cozido). Isso certamente porque o processo de feitura envolve escaldar o polvilho (uma espécie de cozimento), antes de amassar, para depois assar.

Deixando a profundidade de lado, como dizia o mestre Belchior, a receita que trazemos vem do Triângulo Mineiro, da Fazenda Aldeia dos Índios, e é uma tradição que vem se mantendo e se ampliando até, não só lá, mas em outras partes do país, muito fortemente no Planalto Central.

Originalmente o biscoito era assado no forno de barro ou no forninho a lenha, que hoje são raros, pois cederam lugar aos fornos a gás e elétricos. Também já está amplamente industrializado, mas quando feito em casa, à moda antiga, tem sabor inigualável.

Cá do meu jeito, reduzi o óleo (na receita original, era meio a meio com a água), porque, afinal, há que se cuidar da saúde em tempos de sedentarismo.

Ingredientes

2 copos de água

1 ½ copo de óleo

4 copos de polvilho doce

Sal a gosto (mais ou menos 1 colher de sopa rasa)

Ovos até dar o ponto de espremer os biscoitos

Modo de Fazer

Coloque o polvilho numa bacia. Ferva o óleo, a água e o sal e derrame sobre o polvilho, mexendo bem. Deixe esfriar e, quando estiver morno, vá amassando com ovos, batendo bastante, até que a massa fique lisa e brilhante, em ponto de espremer. Para modelar os biscoitos (argola, palito, ou o que a imaginação permitir), pode-se usar um saco de plástico firme, cortado um cantinho. Espremer numa assadeira untada (só o fundo) e assar em forno pré-aquecido.

Depois, é só preparar o café e se deliciar!

Lúcia Resende -Quituteira

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via Whatsapp: 61 9 9611 6826. Camiseta Krenak

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: