PAMONHA DOCE

Ingredientes:

  • 30 a 40 espigas de milho verde
  • 250 ml de óleo ou manteiga
  • 1 colher de café de canela
  • 1 pitada de sal
  • Queijo fresco
  • Açúcar a gosto
  • Leite o quanto baste (ponto de massa de bolo mole)

Modo de preparo:

Depois de ralar o milho (ou bater no liquidificador, com um pouquinho de leite), passe a massa em uma peneira de trama média, para tirar parte do bagaço. Depois, escalde com o óleo (ou manteiga) bem quente. Coloque o açúcar, a canela, o sal e o leite. Misture bem e ponha a massa nos copinhos formados com a palha, colocando uma tira de queijo fresco em cada uma. Amarre as pamonhas, como se fossem trouxinhas, e leve-as ao fogo, na água já fervente. Depois de 40 minutos, em fogo alto, a pamonha está pronta para ser saboreada.

 

PAMONHA DE SAL

Ingredientes:

  • 30 a 40 espigas de milho verde
  • 250 ml de óleo ou manteiga
  • Sal, pimenta vermelha, pimenta do reino a gosto
  • Cebolinha verde, salsa (ou coentro)
  • Para o recheio: linguiça de porco, queijo, carne de sol, guariroba ou outro de sua preferência

Modo de preparo:

O procedimento é o mesmo da pamonha de doce, é só variar o recheio e o tempero.

Fonte: http://www.emgoiania.com/blog/dicas/receita-de-pamonha-coisas-de-goias/ (com adaptações)

[/wm_column]

Oração do Milho

Sou a planta humilde dos quintais pequenos e das lavouras pobres.
Meu grão, perdido por acaso, nasce e cresce na terra descuidada. Ponho folhas e haste e se me ajudares Senhor, mesmo planta de acaso, solitária, dou espigas e devolvo em muitos grãos o grão perdido inicial, salvo por milagre, que a terra fecundou.
Sou a planta primária da lavoura.
Não me pertence a hierarquia tradicional do trigo. E, de mim, não se faz o pão alvo, universal.
O Justo não me consagrou Pão da Vida, nem lugar me foi dado
nos altares.
Sou apenas o alimento forte e substancial dos que trabalham a terra, onde não vinga o trigo nobre.
Sou de origem obscura e de ascendência pobre. Alimento de rústicos e animais do jugo.
Fui o angu pesado e constante do escravo na exaustão do eito.
Sou a broa grosseira e modesta do pequeno sitiante. Sou a farinha econômica do proletário.
Sou a polenta do imigrante e a miga dos que começam a vida em terra estranha.
Sou apenas a fartura generosa e despreocupada dos paióis.
Sou o cocho abastecido donde rumina o gado
Sou o canto festivo dos galos na glória do dia que amanhece.
Sou o cacarejo alegre das poedeiras à volta dos seus ninhos.
Sou a pobreza vegetal, agradecida a Vós, Senhor, que me fizeste necessária e humilde
SOU O MILHO.

Cora Coralina

About The Author

Zezé Weiss

Jornalista
Socioambiental

Related Posts

Deixe uma resposta