O pesquisador Altair Sales Barbosa é uma pessoa bastante diferente, a começar pela data de nascimento, que foi em 1948, dia 29 de fevereiro. Era ano bissexto. E tem coisas que ele nem gosta de contar, por achar que “ninguém acredita”, como o fato de passar no vestibular da Universidade Federal de Goiás com tenros 14 anos de idade e de virar professor da mesma UFG aos 20.

Aos 9 anos, ele saiu a pé de Correntina (BA), sua terra natal, andando pelos sertões atrás de seu avô, um visionário que editava o jornal “O Batuta” em Goiânia. Na capital goiana, ele logo transpôs o exame de admissão no Liceu, colégio público de referência, à época, para continuar seus estudos.

Dois anos depois, um novo professor de Literatura desafiou os alunos perguntando se alguém já tinha lido “Os Sertões”, de Euclides da Cunha. Ele levantou a mão. Desconfiado, o desafiante pediu que ele falasse algo sobre o livro. Ousado, ele indagou:
– O senhor quer a primeira ou a segunda edição?

Diante do sorriso irônico do mestre, ele explicou que havia diferenças na apresentação das duas versões, o que era verdadeiro. E depois discorreu sobre a obra. Impressionado, o professor o levou até a direção da escola e virou seu tutor.

Foi daí que nasceu a ideia de ele não fazer o segundo grau inteiro e, sim, o Madureza, um curso compacto que valia pelo colegial. Em seguida fez o vestibular e passou. Um de seus segredos era a memória visual aguçada, que o ajudava, mas que em muitos momentos ainda hoje o atrapalha.

Da UFG, ele seguiu para a Universidade Federal do Chile, onde foi aluno de Darcy Ribeiro no curso de Antropologia. Fez pós-graduação em Geologia, Ecologia e Arqueologia. Depois fez doutorado em Arqueologia no Smithsonian Institution, nos Estados Unidos. Sua tese foi publicada em livro, com o título “Andarilhos da Claridade – os primeiros habitantes do Cerrado”.

Na Universidade Católica de Goiás (hoje PUC), onde é professor titular, ele encontrou espaço para voos de maior alcance, centrados no Instituto do Trópico Subúmido. Ele casou-se em 1975, mas sua companheira já é falecida. Tiveram uma filha, que hoje também é professora universitária.

A Xapuri conversou com Altair no Memorial do Cerrado:

Xapuri – O que é o projeto do Instituto do Trópico Subúmido?
Altair – O ITS não é um projeto, é um balaio de projetos. É um centro de excelência do Cerrado, um órgão socioambiental que, ao mesmo tempo, propõe um novo modelo de universidade. Nossa preocupação central é com o Sistema Biogeográfico do Cerrado, que engloba todos os aspectos da vida nessa região, da flora, dos animais e seres humanos.

Xapuri – O que seria esse novo modelo de universidade?
Altair – Além do estudo, pesquisa e difusão do conhecimento, é também papel das universidades participar das decisões da sociedade, com intervenções concretas, objetivas. A academia fechada em redomas, sem interagir com as comunidades e ambientes que a envolvem, acaba se distanciando da realidade. Agora, essa aproximação não se dá de modo artificial, mas por meio de um verdadeiro mergulho na sociedade, o que exige competência e credibilidade.

Xapuri – Como mergulhar na vida da sociedade?
Altair – Essa aproximação se dá pela criação de mecanismos que atuem como canais de comunicação entre as diversas comunidades envolvidas em seu trabalho. Isso se dá até fisicamente. Essa é a razão da existência dos centros avançados do Instituto. É uma presença que demonstra de forma clara a preocupação com a preservação ambiental como forma de assegurar a vida no futuro, com qualidade. A Estação Ciência de Uruaçu, por exemplo, está lá, o tempo todo estudando, analisando impactos e propondo soluções para os problemas advindos da formação do lago da usina de Serra da Mesa.

Xapuri – Qual o papel do pesquisador nesse processo?
Altair – O cientista, no mundo em que vivemos, não pode ser inteiramente desligado da problemática econômica, social, política e cultural de sua sociedade. Muito pelo contrário, ele deve estar comprometido profissional e humanamente com a transformação da realidade circundante, promovendo o crescente bem-estar do seu povo. Deve estar junto na superação dos problemas da fome, da ignorância, das doenças, do atraso, da marginalização.

Xapuri – O processo de ocupação do Cerrado tem causado que tipo de impacto sobre a sociedade?
Altair – Os cerrados são, hoje, algumas das últimas regiões da Terra capazes de suportar, de modo imediato, a produção de cereais e a formação de pastagens. Por isso, o bioma tem atraído grandes investimentos e provocado modificações significativas, como o aumento de aglomerados urbanos e inchaço de cidades. A causa fundamental disso está no modelo econômico que se instalou, voltado para o lucro imediato, sem nenhuma preocupação com as questões globais do meio ambiente e da ecologia do Cerrado.

Xapuri – Quais as perspectivas futuras do ser humano?
Altair – O homem atual é resultado de dois processos evolutivos que se sobrepuseram ao longo dos tempos. Um é o da evolução biológica, em conjunto com os demais seres vivos, que gera adaptações e leva à seleção das espécies. O outro é cultural, que resulta dos avanços tecnológicos promovidos pela espécie humana e que geram problemas demográficos, afetam o seu bem-estar. O rumo que este irá tomar depende da visão predominante no processo evolutivo, que será definida pelo próprio ser humano.

About The Author

Jaime Sautchuk

Jornalista. Escritor

Related Posts

Deixe uma resposta