Neste 2014 que se esvai comemoramos os 120 anos de aprovação e divulgação do Relatório Cruls, que definiu os limites do atual Distrito Federal. Muito mais do que demarcar os limites do futuro DF, a Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil, chefiada por Luiz Cruls, fez um magnífico estudo sobre o meio ambiente da parte central do país, em especial de Goiás.

A decisão de se implantar a capital do país na sua região central foi da Assembleia Constituinte que elaborou a primeira Constituição da República. A Comissão que percorreu Goiás em 1892 e 93 foi designada pelo marechal Deodoro da Fonseca, mas seu relatório final já foi apresentado ao segundo presidente, Floriano Peixoto, que o sancionou, após aprovação do Congresso Nacional, em 1894.

A Comissão era formada por Cruls, mais 21 cientistas, que percorreram exatos 5.132 km do território brasileiro, em lombo de mula, com numerosa trupe. Na parte principal de seus trabalhos, de demarcação, eles usaram como bases as cidades goianas de Pirenópolis e Formosa, de onde saíram os grupos que assinalaram os quatro vértices do retângulo que virou o DF.

Cruls e demais membros da expedição usavam a tecnologia disponível há mais de 120 anos e se baseavam no cosmos para sua orientação nas andanças e medições que fizeram. Foram produzidos estudos, mapas e afixados marcos com incrível precisão, a partir da observação do céu. Assim, foi demarcado o chamado Quadrilátero Cruls, que definiu o formato e os limites onde, 60 anos depois, JK assentaria Brasília.

Mas, ao mesmo tempo, mantinham seus pés firmes no chão goiano, realizando meticuloso levantamento de flora, fauna, clima, topografia, recursos hídricos e das populações humanas que ocupavam esses sertões. Seu relatório e levantamentos posteriores são desde então valiosos instrumentos para estudiosos de todos os ramos das ciências.

Relatório Cruls - foto Lagoa Feia, próxima a Formosa/GO

Louis Ferdinand Cruls nasceu em Diest, na Bélgica, em 21 de janeiro de 1848. Seguindo a carreira de seu pai, cursou Engenharia Civil na Universidade de Gant, em seu país, entre 1863 e 1868. Enquanto isso, entrou para o exército belga e em pouco tempo galgou vários postos. Mas a promissora carreira durou poucos anos, pois ele resolveu vir de mala e cuia pro Brasil.

Ainda nos bancos acadêmicos, ele conhecera vários estudantes brasileiros, que lhe falavam de um país acolhedor e muito promissor nos campos das ciências e da economia. Em setembro de 1874, foi a Pouillac, na França, onde pegaria o transatlântico Orinoque para uma viagem de mais de três semanas ao Brasil. Já nas primeiras horas da jornada, por puro acaso, conheceu Joaquim Nabuco, jovem diplomata brasileiro que regressava de viagem a países europeus.

A Nabuco ele informou que sua estada no Brasil seria de pouca duração, mas de pronto entraria em contradição, pois revelava que havia pedido demissão da carreira militar na Bélgica. Ou seja, estava solto no mundo. A afinidade entre eles foi imediata e se tornaram grandes amigos por longos e longos anos, em solo brasileiro.

No Rio de Janeiro, Cruls não encontrou seus amigos de escola, mas Nabuco fez as vezes do anfitrião e desde logo o introduziu nos altos ambientes cariocas. Através de seu pai, que era senador, em pouco tempo ele proporcionou um primeiro encontro do novo amigo com o imperador D. Pedro II.

O monarca brasileiro, conhecido por seu desprendimento e gosto pelas ciências, logo percebeu os dotes do visitante belga. Nasceria ali, também, uma profícua amizade, e era traçado o roteiro de completa integração de Cruls à vida nacional. Seis anos depois, foi o próprio Pedro II quem assinou a ato de sua naturalização. Com o nome de Luiz Cruls, era um novo cidadão brasileiro.

Sem trocadilho, a trajetória do astrônomo belga no Brasil foi meteórica. Dois meses depois de chegar, ele foi nomeado membro da Comissão Carta Imperial, que faria uma espécie de plano-diretor geral do país. Em viagem oficial à França, para receber alguns equipamentos que o governo brasileiro havia adquirido, ele foi à Bélgica.

Lá, ele publicou, em revista da Universidade de Gant, um trabalho sobre cálculos de medição de ângulos nos campos astronômico e geodésico. Segundo o astrônomo brasileiro Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, o estudo teve grande repercussão nos meios científicos globais e imortalizaram seu nome, que denomina uma das crateras da Lua e outra de Marte.

Em 1881, logo após ser naturalizado, o que era um pré-requisito para o posto, Luiz Cruls aceitou o cargo de diretor do Observatório Astronômico Nacional, talvez a mais importante instituição de estudos e pesquisas do Brasil daqueles tempos.

A esta altura, ele já podia se considerar brasileiro, carioca da cepa, com todos os mesmos sentimentos que assomavam seus novos conterrâneos. Em muitos de seus textos ele falava de “sentimento nacional”, “brasilidade” e apoiava movimentos liberalizantes, em especial pelo fim da escravidão.

D. Pedro II virou seu discípulo no Observatório, no Morro do Castelo, onde dava vazão ao seu gosto por Astronomia. O imperador chegava sozinho às instalações da instituição, onde a família Cruls morava, e batia levemente na porta – toc-toc-toc…

Juscelino Kubitschek no cerrado

O dono da casa, como de costume, perguntava:

– Quem é?

Do lado de fora, o outro respondia:

–É o Pedro. – E só entrava após ser autorizado.

Ficava ali, o Pedro de Alcântara, como aluno comportado, arriscando algumas perguntas ou ficando quieto, quando sentia concentração no mestre. E partia quando as questões domésticas, como as refeições em família, por exemplo, se aproximavam. Mesmo assim, virou gente de casa, pois tinha o carinho de toda a prole de Cruls.

Essa proximidade, contudo, para o astrônomo não teve reflexo algum quando foi proclamada a República, em 1889. Muito pelo contrário, quando a Constituinte definiu a demarcação dos limites da nova capital, seu nome já era lembrado como o provável coordenador da missão.

As funções de Professor da Escola Militar por 19 anos, diretor do Observatório, cientista de larga produção e tantas outras atividades não tiravam de Luiz Cruls o ânimo para as tarefas de campo como as que realizou no Planalto Central. Depois, já no início do século 20, ele participou da comissão que fez as medições de fronteira com a Bolívia, em vista da compra, pelo Brasil, do que veio a ser o Acre.

Luiz Cruls faleceu em 1908, vítima de malária e vários outros males contraídos nas suas andanças por Goiás, pelo Acre e por outras partes do Brasil. Morreu na França, onde havia ido se tratar, mas fez questão de ser sepultado no Brasil, desejo cumprido pela família.

About The Author

Jaime Sautchuk

Jornalista. Escritor

Related Posts

Deixe uma resposta