Há milhões de anos o Tocantins abrigou uma floresta que hoje é considerada a mais completa e uma das maiores reservas de vegetais fossilizados do mundo. O Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Tocantins (MNAFTO) abrange uma área de 32 mil hectares, no Norte do estado.

Essas árvores viveram no Período Permiano – último da Era Paleozoica, entre 295 e 250 milhões de anos, sendo assim anterior aos dinossauros. Os fósseis encontrados contêm informações valiosas de importantes transformações geológicas ocorridas no passado.

No final daquele período, nosso planeta assistiu à maior extinção em massa da fauna e da flora, em que aproximadamente 90% das suas espécies marinhas e 70% das terrestres desapareceram.

Ali, são encontrados fósseis de pteridófitas (samambaias), esfenófitas (cavalinhas), coníferas (gimnospermas coniferófitas) e cicadácias (Cycas). Grande parte do material é de fósseis de samambaias do gênero Psaronius, que não existe mais. As samambaias pré-históricas eram árvores gigantes, que podiam chegar a 30 metros de altura, sendo que algumas de suas folhas ficaram impressas nas rochas da região.

O alto índice de samambaias indica que a região central do Tocantins era uma planície costeira com um farto sistema hídrico durante o período Permiano. O clima era tropical, porém há dúvidas se o ambiente era amazônico ou parecido com o Cerrado. O fenômeno de fossilização é raro, acredita-se que menos de 1% de todas as espécies que já existiram na Terra foram fossilizadas, mais um sinal do valor histórico da Unidade de Conservação.

Por pouco tamanha riqueza da história natural não foi perdida, em 1996, quando o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) emitiu uma licença de pesquisa à Mineração Pedra de Fogo Ltda. Mas, ao invés de pesquisar a riqueza mineral da região, a empresa extraía e comercializava os fósseis de forma irregular.

Ao saber do fato, a Sociedade Brasileira de Paleontologia (SBP) manifestou-se, denunciando ao Ministério Público do Estado do Tocantins. Como resultado de tal denúncia, o governo estadual, com a finalidade de combater a exploração ilegal e proteger os fósseis, criou o Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Tocantins.

Além dos fósseis, a área também apresenta uma rica biodiversidade. Boa parte das faixas de vegetação nativa está em bom estado de conservação, desde fitofisionomias mais abertas como campo sujo, passando por cerrado sentido restrito até cerrado denso e cerradão, e foram identificadas seis espécies endêmicas da flora no MNAFTO. A região é rica em espécies úteis, com potencial madeireiro, alimentício, medicinal, melífero e artesanal.

Esta Unidade de Conservação, com espaços naturais ainda significativos, desempenha importante papel como um corredor de dispersão da fauna terrestre, além de abranger notável diversidade de formações vegetacionais, como o cerradão, o campo cerrado, além das matas de galerias que margeiam os cursos d’água e enclaves de florestas de afinidades amazônicas e matas secas, com uma sequência contínua de interfaces e gradientes ambientais.

Foram identificadas também 77 espécies de mamíferos, 208 de aves, 17 de anfíbios e 33 de répteis, um total de 335 espécies, sendo 16 endêmicas.




About The Author

Engenheiro Florestal Gurupi -Tocantins

Related Posts

Deixe uma resposta