O Descobrimento,  segundo Eduardo Galeano: “Em 1492, os nativos descobriram que eram índios, descobriram que viviam na América, descobriram que estavam nus, descobriram que deviam obediência a um rei e a uma rainha de outro mundo e a um deus de outro céu, e que esse deus havia inventado a culpa e o vestido e que havia mandado que fosse queimado vivo  quem adorasse o Sol e a Lua e a terra e a chuva que molha essa terra.”

Assim, em seu livro em formato de calendário, Os Filhos dos Dias (L&PM, 2012) o escritor latino-americano Eduardo Galeano retrata o significado do descobrimento da América para os povos originários do continente americano.

Na 4a capa, Galeano nos premia com um Você sabia

… que o episódio de Adão e Eva mordendo a maçã não aparece na Bíblia?

… que o grego Erastótenes mediu a cintura do mundo há dois mil  e trezentos anos e errou por apenas 90 quilômetros?

… que até 2008 Nelson Mandela integrava a lista de terroristas perigosos para a segurança dos Estados Unidos?

… que até 1990 a homossexualidade era considerada uma doença mental segundo a Organização Mundial da Saúde?

que ao enterro de Karl Marx compareceram 11 pessoas incluindo o coveiro?

… que a bicicleta foi, há um século, um instrumento de liberação feminina?

… que a cada duas semanas morre um idioma?

ANOTE AÍ:

Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu em 13 de setembro de 1940 e faleceu também em Montevidéu em 13 de abril de 2015.

Desde 1973, viveu exilado na Argentina e na Espanha, na região da Catalunha. Para o Uruguai, regressou em 1985.

Na orelha de  Os Filhos dos Dias está escrito: “Galeano comete, sem remorsos, a violação de fronteiras que separam os gêneros literários. Ao longo de uma obra na qual confluem narração e ensaio, poesia e crônica, seus livros recolhem as vozes da alma e da rua, e oferecem uma síntese da realidade e sua memória.”

Autor da obra-prima As Veias Abertas da América Latina, é também de Galeano, uma das mais singelas e ao mesmo tempo mais profundas definição de Utopia:

A Utopia está lá no horizonte.
Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos.
Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos.
Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei.
Para que serve a Utopia?
Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar“.

eduardo_galeano_para_que_serve_a_utopia_serve_para_isso_x40og8

 

 

About The Author

Xapuri

Related Posts

Deixe uma resposta