Manuela Sáenz – A libertadora do libertador

m1

Para ler e gostar deste texto é preciso voltar à história, relembrar as duras batalhas pela independência da América do Sul e (re) conhecer grandes homens como José de San Martín, Simón Bolívar, o libertador,  e essa esplêndida e corajosa mulher que tinha o coração livre das amarras sociais vigentes naquele tempo.

O poeta chileno Pablo Neruda devotou-lhe versos que contam bem sua vida, suas lutas e sua morte em a “La insepulta de Paita”. Neruda traça um esboço histórico de Manuela e, com uma nota de amor ardente e pura admiração, quer e tenta trazê-la de volta à vida. O poema leva como subtítulo “Elegía dedicada a memória de Manuela Sáenz, amante de Simón Bolívar”.

 

(…) XI – (Excertos)

EPITAFIO

Éstafue la mujerherida:

en la noche de loscaminos

tuvo por sueño una victoria,

tuvo por abrazoeldolor.

Tuvo por amante una espada.

 

XVII – ELLA

Túfuiste la libertad,

libertadora enamorada.

Entregaste dones y dudas,

idolatrada irrespetuosa.

Se asustabaelbúhoen la sombra

cuandopasó tu cabellera.

Y quedaronlastejas claras,

se iluminaronlosparaguas.

Las casas cambiaron de ropa.

El inviernofue transparente.

Es Manuelita que cruzó

lascalles cansadas de Lima,

la noche de Bogotá,

la oscuridad de Guayaquil,

el traje negro de Caracas.

Y desde entonces es de día. (…)

 

Destemida e guerreira foi, sobretudo, uma patriota, companheira sentimental do grande libertador das Américas, Simón Bolívar, e heroína da independência da América do Sul.

Manuelita, como era intimamente chamada, recebeu ainda, do próprio Simón Bolívar o carinhoso codinome de Libertadora do Libertador, pela sua atuação nas batalhas enfrentadas ao lado de Simón Bolívar e por tê-lo livrado da morte durante um atentado.

Sua atuação política e amorosa foi duramente criticada e denigrada. Seus contemporâneos a ignoravam e ainda hoje, séculos depois de sua morte, sobram preconceitos ao seu redor. Entretanto, existe uma corrente que a toma como heroína da independência de alguns países da América do Sul e precursora do feminismo na América Latina.

Até onde sua história alcança, Manuelita desperta ódio ou amores, debates e controvérsias. A vida sempre foi dura com Manuela Sáenz. Sua mãe faleceu em seu parto e primeiro foi criada em companhia de freiras concepcionistas. Depois, foi resgatada pela segunda esposa de seu pai que lhe ensinou os bons costumes e a leitura.

Como moça prendada e cheia de prodígios, Manuelita aprendeu todos os ofícios caseiros e também a falar e escrever em Inglês e Francês. Essas habilidades possibilitaram sua sobrevivência em seus anos de exílio em Paita, ao norte do Peru.m2

Manuela cedo se envolveu em atividades independentistas e por seus ideais libertários conheceu José de Sán Martin, que lhe concedeu o título inédito de “Caballeresa de la Orden El Sol del Perú”, quando da Libertação de Lima. Nessa mesma época, conhece Simón Bolívar, um parceiro de lutas de Sán Martin.           A partir de então, Manuela e Simón Bolívar se tornaram amantes e companheiros de luta por oito anos, até a morte dele. Manuela foi líder, estrategista, tinha uma excelente pontaria e foi o grande amor de Simón Bolívar.

Seguiria lutando ao lado de seu grande amor e abandonou seu matrimônio com um Inglês porque, segundo ela: “que no podía amar a um hombre que reía sin reír, que respiraba pero no vivía”. Esse comportamento considerado impróprio abriu antecedentes para o autodeterminismo de uma mulher em época de extrema repressão.

Manuelita foi ancoradouro, sombra, confidente e guardiã de Bolívar. Cuidou e salvou seus arquivos pessoais, protegeu sua vida e seus interesses políticos.

Após a morte dele, Manuelita foi banida da Colômbia e partiu para um breve exílio na Jamaica. Depois regressa ao Equador, mas não consegue chegar a Quito porque teve seu passaporte revogado pelo Presidente Vicente Rocafuerte. Assim, decidiu instalar-se em Paita.

Ali, foi visitada por ilustres personagens que reconheciam seu valor histórico e social como o patriota Giuseppe Garibaldi, ou o escritor peruano Ricardo Palma, que redigiu seu livro Tradiciones Peruanas com base nos relatos de Manuela.

A partir dali, nossa mulher-coragem, nascida em Quito, Equador, em 27/12/1795, por 25 anos seguidos, passou a viver das boas memórias de seu amor e de suas lutas; também traduzia e escrevia cartas aos EUA, ajudando os analfabetos da região em suas demandas. Vendia tabaco e por dom e necessidade fazia bordados e doces por encomenda. Faleceu em Paita, em 23/11/1856, aos 58 anos de idade com difteria epidêmica.

Não teve distinção ou honrarias, não tocaram trompetes em sua homenagem. Seu corpo foi sepultado em vala comum e seus pertences incinerados, entre eles as cartas de amor que recebeu do Libertador e documentos importantes da Colômbia que estavam sob sua custódia. Costumava dizer aos que perguntavam de seu amor pelo Libertador: “Vivo adoré a Bolívar, muerto lo venero”.

Tinha estampados em seu peito dois amores: Independência e Bolívar. Podemos admirar Manuelita Sáenz como uma das maiores defensoras do direito à liberdade e dos direitos da mulher. Metaforicamente foi a gestora da Independência de países como Colômbia, Equador e Peru.

Em vida recebeu muitos codinomes: “Caballeresa del sol”, La Sáenz (pelos inimigos), “Amable loca”, “Manuelita la bella” e o maior de todos – “A Libertadora do Libertador”. Postumamente recebeu homenagens de vários países, sendo que um punhado da terra de Paita foi trazido à Venezuela e colocado no Panteão Nacional.

Esses restos simbólicos percorreram os países Peru, Equador, Colômbia e Venezuela e foram se aportar em Caracas, onde foram depositados num sarcófago, onde repousam, para sempre, ao lado dos restos mortais de Simon Bolívar.

O governo venezuelano eregiu uma escultura de 14 metros a Manuela Sáenz, o monumento é chamado de Rosa Roja de Paita e encontra-se ao lado do mausoléu de Simón Bolívar em Caracas. Também recebeu, depois de sua morte, a ascensão ao posto de General da Divisão do Exército Nacional Bolivariano.

Resgatar a memória e vida de Mauela Sáenz possibilita regatar a todos os lutadores e a todas lutadoras que não figuram nos conhecidos catálogos de heroísmo. Ademais, coloca a mulher como protagonista de importantes eventos, sem abandonar seu ideal de amor.

ANOTE AÍ:

As fotos internas desta matéria são do acervo de sua autora, Ieda Vilas Boas

 

About The Author

Iêda Vilas Boas

Related Posts

Deixe uma resposta