A Revolta dos Búzios

Por Antonio Olavo

Há 221 anos, na madrugada do dia 12 de agosto de 1798, surgiram afixados em pontos de grande movimentação da Cidade do Salvador papéis manuscritos que, em nome do “Poderoso e Magnífico Povo Bahiense Republicano”, chamava o povo para fazer um Levante, derrubando o governo colonial, proclamando a independência e implantando uma República democrática, onde não haveria escravidão e sim “igualdade entre os homens pretos, pardos e brancos”.

Era a Revolta dos Búzios. Salve os seus cinco mártires: os soldados Luiz Gonzaga (36 anos) e Lucas Dantas (23 anos), os alfaiates João de Deus (27 anos) e Manoel Faustino (22 anos) e o cocheiro Antonio José. Essa apaixonante história do povo negro baiano, em novembro vai virar filme, em mais uma produção da PORTFOLIUM.

A Revolta de Búzios e a voz do povo

A Conjuração Baiana, também conhecida como Inconfidência Baiana, Revolta dos Búzios, Revolta dos Alfaiates ou Revolta das Argolinhas, foi uma conspiração ocorrida em 1798 na capitania da Bahia, no Brasil, para se libertar da Coroa Portuguesa.

As denominações Conjuração Baiana e Inconfidência Baiana são variações de uma mesma definição acadêmica.

O termo Revolta dos Alfaiates se deve ao grande número destes profissionais que participaram do movimento e pelo fato de dois dos quatro executados como líderes da conspiração exercerem esta profissão. Esta denominação também tem origem acadêmica, mas com a intenção de ser menos técnica e mais popular, sendo gradativamente incorporada pelas menções dos movimentos populares.

A designação Revolta dos Búzios se deve ao fato de alguns revoltosos usarem um búzio (concha de molusco em forma de espiral) preso à uma pulseira para facilitar a identificação entre si. Revolta das Argolinhas porque alguns participantes usaram uma argola em uma orelha com o mesmo fim. Estes são termos de origem popular, sendo que o “Revolta dos Búzios” tornou-se o predominante na transmissão oral na Bahia, devido a associação com as origens africanas, havendo também uma identificação com a luta contra a escravidão e por uma sociedade mais igualitária.

Comemorações de vários movimentos regionais de independência ou contestação foram organizadas “de cima para baixo”, através de órgãos oficiais das esferas federal, estadual ou municipal, dependendo do caso. Os desejos e sacrifícios referentes à Revolta dos Búzios são um nítido e raro caso de memória preservada, transmitida e firmada “de baixo para cima”, através de tradições orais que, com o passar do tempo, se organizaram e fortaleceram em instituições e eventos, privados e públicos, que defendem a igualdade racial e social, mesmos ideais de 1798.

O movimento ocorrido na Bahia em 1798 entrou para a história brasileira com um grande número de definições para identificá-lo, prova inequívoca de sua apropriação e transmissão pela população, com suas variações ocorrendo por conta da apropriação popular ao longo do tempo.

Reconhecidos tanto como mártires quanto heróis, os quatro líderes da Revolta dos Búzios, executados em 08 de novembro de 1799, foram oficialmente incluídos em 04 de março de 2011 no Livro dos Heróis da Pátria, também conhecido como Livro de Aço, situado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Fonte: Correio 24 Horas

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via Whatsapp: 61 9 9611 6826. Camiseta Krenak

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: