O importante líder da revolta indígena no sul do México foi emboscado e assassinado em 1919

Por André Nogueira – aventurasnahistoria

Nascido na pequena vila de San Miguel Anenecuilco, no sul do México, Emiliano Zapata Salazar foi uma das figuras mais marcantes e centrais do processo revolucionário pelo qual passou o México em 1910.  Acima de tudo líder da causa indígena, Zapata liderou seus exércitos paramilitares em direção à Cidade de México, e, junto ao exército de Pancho Villa, ocupou a capital numa estranha manifestação de poder popular.

A Revolução de 1910 teve como principal pauta a derrubada do ditador mexicano Porfírio Diaz. Porém, muito mais complexa e com camadas de articulações entre grupos sociais, a primeira revolução nacional do século XX desencadeou um cenário de caos político e jogos de poder com a disputa pela ocupação da presidência da república.

Porfírio será derrubado em 1910 pelas forças liberais articuladas pelo político e fazendeiro Francisco Madero, que toma o poder e inicia um movimento de desenvolvimento do México como “Estado Moderno”, políticas de desenvolvimento da identidade nacional e reabilitação de signos indenitários como o passado asteca e o muralismo.

Madero será responsável por uma proposta de Reforma Agrária (que só terá corpo nos anos 1930, na presidência de Lázaro Cárdenas) que tem como claro objetivo a introdução do indígena à sociedade republicana, incluindo-os ao circuito econômico capitalista e nacional.

Este é um dos principais motivos de rixa entre Madero e Zapata, pois o líder da revolta indígena articulou seu Ejército Libertador del Sur para a construção de uma reforma agrária pautada nos ejidos (terras comunais) e formas tradicionais e culturais de contato com a terra. Ou seja, Zapata se opunha a Madero e seu projeto colonizador de quebra com a autonomia econômica e cultural dos indígenas mexicanos.

Com a ascensão de Madero, é implantado um caos na política nacional, em que inicialmente se convoca um armistício com Zapata, mas o revolucionário se nega, alegando que se armados os indígenas já estavam perdendo, imagine então seu exército desarmado.Diversos políticos morreram em confrontos com armas de fogo.Madero articula a perseguição aos exércitos libertadores do zapatismo e o banditismo encabeçado por Pancho Villa no Norte. A perseguição aos zapatistas será uma das principais pautas do exército mexicano no período pós-revolucionário.

Em 1913, Madero é derrubado por um general porfirista chamado Victoriano Huerta, que assume a presidência sob a bandeira de retomar o desenvolvimento nacional em ordem antes da revolução. Com isso, Villa e Zapata se aliam a Venustiano Carranza e derrubam novamente o governo no ano seguinte.

Carranza articula novamente um governo autoritário que empreenderá diversas missões de extermínio do exército zapatista. Zapata manteve sua oposição, mas os anos de batalha fizeram com que o exército estivesse desarticulado e enfraquecido aos pés de 1914. Carranza então oferece uma farta recompensa pela cabeça de Zapata, fazendo do revolucionário alvo numero um do exército e de diversas facções da sociedade.

Mas a morte de Zapata viria ocorrer após alguns anos de resistência. No dia 10 de abril de 1919, o general  Jesús Guajardo, fingindo compactuar com a causa do ELS, convida Zapata para um encontro estratégico em Morelos, estado central da causa indígena (e estado natal de Zapata). Ao encontrar com o general, vindo a cavalo, Zapata leva diversos tiros por todo o corpo e é assassinado em meio ao deserto. Guajardo irá então recolher o corpo do revolucionário e o leva às autoridades para receber a recompensa prometida (mesmo que tenha recebido praticamente metade).

A morte de Emiliano causa a final desarticulação do exército indígena, que será trucidado pelas forças do Estado nos anos seguintes. O legado político do revolucionário será negado pelo Estado Mexicano por anos, e será retomado somente no fim do século XX, com a estruturação do Exército Zapatista de Libertação Nacional.

Fonte: Aventuras na História

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: