Guerra do Contestado: O monge e seu receituário

Receita dada pelo célebre monge José Maria de Agostini ao senhor Joaquim Nunes da Rocha no dia 3 de setembro na casa do senhor Antonio Calumby, no lugar chamado São João, município de Campos Novos, não se lembrando o senhor Joaquim Nunes do nome da pessoa que escreveu a receita, que foi ditada pelo mesmo monge:

“Ponha em duas medidas de cachaça 700 gramas de arruda e 700  de guiné e 700 da casca da cortiça e 700 da erva de passarinho e 700 da erva do touro e 700 da erva de bicho e 700 da casca da caroba e 700 da casca da sassafrais e 700 da casca da palmeira e 800 de assucara branco, e deche na infusão 15 dias, e o depois, pase em otra vasilla e ponha 12 vidros de ensensa junto para tomar um calezinho de note e otro de manham.”

A letra é boa e conservamos a ortografia original.

Nota:  o curandeiro tinha então à sua disposição três e mais secretários e ele próprio também escreve bem; a afluência de povo era então enorme; carneou-se uma vaca gorda, que foi toda gasta naquele dia.

A bem do Sr. Joaquim Nunes poder ter acesso à consulta foi preciso esperar até às dez horas da noite, ficando ainda 15 pacientes esperando a vez.

As receitas que já eram escritas, quando indicada alguma delas o consulente, pelo curandeiro, este mandava copiar por um de seus secretários que a entregava ao dito consulente.

A Notícia – (Lajes) 19/10/1912.

***

As fumigações de Artemiza cozida, tomadas em banho de assento, fazem as partuerentes expulsarem a creança morta.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

A mesma planta cozida em vinho que se bebe em doses curtas, porém frequentes, preserva a mulher do perigo de aborto.

Paulino Pereira

***

Tosse, ponha-se no pescoço da creança que a tiver uma pedra pomes e a tosse cedera

Paulino Pereira

***

Para os calos nos pes, colocar sobre o callo um pouco da parte interna de um figo e deixae ahi durante alguns dias ficareis curado

Paulino Pereira

***

Para curar Dor de Ouvido, tomai uma pequena cebola e assae-a bem na cinza, enrolae-a em um pedaço de panno muito fino untada com um pouco de mantega sem sal. Mettei tudo no ouvido doente o mais quente que se puder suportar, dentro de um minuto a dor desaparecera

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Paulino Pereira

Jean Claude Bernardet, em Guerra Camponesa no Contestado, Global Editora, 1979. Imagens: Reprodução/Internet. 


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]