A Batalha de Maria Antônia

Por Imagens & História 2.0

“A função do Historiador é lembrar a sociedade daquilo que ela quer esquecer”. – Peter Burke.

A Batalha da Maria Antônia, em 1968, ocorreu entre alunos da faculdade de Filosofia da USP contra alunos da Universidade Mackenzie.
As duas universidades eram conhecidas por seus posicionamentos ideológicos: USP de esquerda e Mackenzie de direita.

O confronto se iniciou em decorrência de um pedágio instituído pelos alunos da USP, na rua Maria Antônia. Os objetivos eram arrecadar dinheiro para o congresso de estudantes e para manter a ocupação do prédio uspiano (já que os estudantes ocupavam o prédio há dias).
Um dos alunos do Mackenzie se recusou a pagar e acertou um dos uspianos com um ovo podre. A provocação foi revidada com pedras e paus. Em poucos minutos, rojões, coqueteis molotov e até armas de fogo foram colocadas em ação.
Durante o confronto, que durou horas, o estudante secundarista José Carlos Guimarães, de 20 anos, que estudava no Colégio Marina Cintra da Rua da Consolação, foi atingido na cabeça por um tiro vindo da Mackenzie e acabou morrendo. O assassino foi Osni Ricardo, membro do CCC e informante da polícia.
Entre as principais consequências, ocorreu a transferência do Prédio da USP, um morto e dezenas de feridos, o fortalecimento do grupo CCC (Comando de Caça aos Comunistas) e o uso da batalha para justificar a implementação do AI-5
O jornalista Boris Casoy participou dessa batalha, pelo lado do Mackenzie.
Fonte: Imagens & História 2.0
Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

continua depois da propaganda