As mãos de minha mãe tecendo(…) É o que basta: uma oferenda à porta aberta.

Rejane Araújo

As mãos de minha mãe tecendoArquivo Pessoal

debruçadas sobre o ponto cruz.

As linhas coloridas formando diagramas, evocando ancestrais.

As antepassadas, sem cerimônias, deitam-se na cama antiga que foi da minha avó.

A colcha de retalhos cinge os corpos etéreos e começa o conversê.

Agora mesmo – o segredo mais bem guardado – é repartido como pão recém-tirado do forno.

O cheiro espalha-se na memória. Deleite!

Apuro os meus ouvidos e olho pela fresta de mansinho.

Vejo mulheres vistosas, faces queimadas de sol.

continua depois da propaganda

Portam sombrinhas e vestidos de chita com florzinhas miúdas.

As alpercatas protegem os pés da seiva agreste que rebenta do solo esturricado.

Meus olhos contemplam a beleza da raiz, força que emana.

A terra se encharca com as risadas escancaradas das avós.

Depois, tudo é silêncio.

continua depois da propaganda

Minha mãe estende o paninho bordado e coloca-o sobre o aparador.

É o que basta: uma oferenda à porta aberta.

O perfume de alfazema enche o ambiente e, com ele, a promessa de guia nas agruras da vida!


Quem é Rejane Araujo? Professora do Governo do Distrito Federal que assim se define:
Hoje fiz um parto às avessas pari uma mulher muito velha que se aninhou dentro de mim…
Estudou na instituição de ensino Faculdade de Artes Dulcina de Moraes
Estudou na instituição de ensino UnB
Frequentou Centrão
Mora em Brasília Fonte: Facebook


 
Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

continua depois da propaganda