Assassinato de Marielle: quatro anos sem punição dos mandantes

Atos marcam esta segunda-feira, 14, após quatro anos sem identificação dos mandantes do crime que tirou a vida da vereadora Marielle (PSOL) e do motorista Anderson Gomes…
 
O Brasil completa quatro anos sem justiça, sem respostas e sem elucidação sobre o brutal assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). A parlamentar negra, mãe, filha, irmã, ativista dos direitos humanos, e o motorista Anderson Gomes foram mortos a tiros no dia 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro, onde atos marcam esta segunda-feira. O Instituto Marielle Franco realiza hoje um festival para cobrar justiça por Marielle e Anderson, no Circo Voador.
Os advogados das famílias de Marielle e Anderson informaram que irão protocolar um mandado de segurança, na manhã desta segunda-feira, no Tribunal de Justiça do Rio. Eles querem o compartilhamento das informações dos autos de investigação sobre os mandantes do assassinato.

“Entendemos que o Estado brasileiro tem a obrigação de fazer cumprir o direito das famílias das vítimas participarem de maneira formal e efetiva da investigação”, dizem o defensor público Fábio Amado, representante das famílias de Marielle e de Anderson, e a advogada Luciana Pivato e Giane Álvares, representantes de Mônica Benício, todos responsáveis pelo caso.

Investigações apontam milícia

Conforme as investigações, o crime teve envolvimento da milícia. Em entrevista à CNN, o diretor para a América Latina e Caribe da Open Society Foundations, Pedro Abramovay, aponta relação do atentado com a potência dos grupos paramilitares.

“Quando começaram as investigações, fomos vendo que foi um crime muito sofisticado, muito bem planejado, e trouxe luz sobre a existência desses grupos de assassinos políticos. Isso dá carta branca para outros assassinatos políticos”, diz ele.

Executores estão presos, mas mandantes não

Os executores do crime foram presos. Desde 2019, o sargento reformado da polícia Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio de Queiroz estão detidos. Os dois respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas e vão a júri a popular. Ainda não tem data para o julgamento.
Após 1.461 dias do assassinato, os mandantes não foram descobertos nem a motivação do crime que chocou o Brasil e o mundo. Segundo o Ministério Público, a principal hipótese é motivação política. Para a Polícia civil, o caso é um duplo homicídio.
De acordo com as investigações, Ronnie Lessa foi o autor dos disparos e Élcio de Queiroz dirigia o carro da emboscada. Eles negam participação do crime.

 

Linha do tempo do crime

No site do Instituto Marielle Franco, além da campanha “Março por Marielle e Anderson”, um compilado com a linha do tempo sobre a crime e 14 perguntas sem respostas, resgatam o ocorrido.
Conforme o instituto, o caso é mais que um marco na história de violações de direitos no Brasil e um atentado contra a democracia, pois “o episódio e sua investigação marcaram a história da polícia fluminense e auxiliou na abertura de investigações de diversos outros crimes do estado.”

 

No dia 14 de março de 2018, o Brasil foi abalado pela trágica notícia dos brutais assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. Sob a forte pressão da sociedade brasileira, mas também da opinião pública internacional, as investigações chegaram até os executores, mas não a seu mandante. As famílias de Marielle e Anderson e a sociedade democrática brasileira querem e precisam saber quem foi o mandante, pois na origem desse crime está a mesma motivação política que mata rotineiramente todos e todas que lutam por direitos e justiça no Brasil. A nossa luta para que a justiça seja feita a Marielle e Anderson, com a prisão do mandante desse crime hediondo, vai continuar. Marielle Franco sempre irá inspirar a luta das mulheres, principalmente das mulheres negras por igualdade racial e de gênero e por justiça social – Benedita da Silva, deputada Federal (PT-RJ)

Pedidos de Justiça

Em mais um dia de dor para a democracia, Lula, a presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, e diversos parlamentares se manifestam por pedidos de justiça em suas redes sociais (veja abaixo).

 

 

 

 

 

 

 
Confira atos e reuniões de “Março por Marielle e Anderson” no portal do Instituto Marielle Franco: https://www.institutomariellefranco.org/4anos

Atos nesta segunda, 14, no Rio de Janeiro

  • 9h: ação em frente ao Tribunal de Justiça, no centro do Rio de Janeiro, exigindo acesso aos autos e a solução do crime.
  • 9h às 16h: A partir das 9h, a Anistia Internacional Brasil fará uma intervenção urbana com uma instalação com mais de 2 metros de altura, em frente à Câmara dos Vereadores, no centro do Rio. A instalação simula o processo judicial inconcluso até agora, destacando a falta de acesso das famílias das vítimas e seus advogados às informações.
  • 10h30: Missa na Igreja de Nossa Senhora da Candelária, organizada pela família de Marielle, que segue, na sequência, para a intervenção da Anistia Internacional Brasil na Câmara dos Vereadores, por volta das 12h.
  • 11h: Encontro prévio com o juiz auxiliar Rafael Estrela, o diretor de comunicação José Carlos Tedesco e a advogada do Instituto Marielle Franco, Brisa Lima, representando o comitê para falar sobre as pautas que serão discutidas com o presidente do TJ, Henrique Carlos Figueira.
  • 15h: Reunião com o governador do Rio de Janeiro no Palácio Guanabara.
  • 15h às 23h: Atividades do Festival Justiça por Marielle e Anderson, no Circo Voador (Lapa), organizado pelo Instituto Marielle Franco, criado e dirigido pela família.
  • 16h-18h: Roda de conversa com o tema “Estamos prontas: A radical Imaginação Política das Mulheres Negras”, com Anielle Franco (diretora do Instituto Marielle Franco), Bianca Santana (Casa Sueli Carneiro) e Tainah Pereira (articulação Mulheres Negras Decidem). Além disso, haverá uma oficina de escrita para a produção de cartas de pedido de Justiça por Marielle e Anderson.
  • 18h30: Apresentações musicais, abrindo com o maracatu do Cortejo Baque Mulher, seguido pela DJ Tamy, MC Martina e MC Zuleide. Também participam artistas como Karol Conká, BK, Juçara Marçal, Marina Iris, Jéssica Ellen, Lellê e Doralyce. O encerramento será com o Bloco Malunguetu.
  • 20h: As famílias de Marielle e Anderson e as organizações que compõem o Comitê Justiça por Marielle e Anderson farão falas no palco do Festival.

 Da Redação, com informações da CNN e Instituto Marielle Franco

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]