O surgimento do Aeroporto de Formosa

Formosa – A cidade está localizada em uma encosta suave e pitoresca suave e pitoresca do planalto central; ao longe, delineiam-se morros mais elevados, cobertos de mato, dando a impressão de que Formosa se acha em um vale…

Por Lysias A. Rodrigues

A cidade apresenta-se como um bosque, tais e tantas são as enormes árvores frutíferas, de onde sobressaem as manchas avermelhado-escuras dos telhados. Há, e isto chama logo a atenção, grande número de casas em construção, índice seguro de progresso local; entre , está a usina elétrica, de estrutura de concreto, de três andares. 

Antes do almoço fomos ver um terreno junto e a NW, da cidade, que nos pareceu prestar-se para campo de aviação. Havíamos resolvido pernoitar esse dia em Formosa, porque a distância a Olhos d´Água (hoje São João da Aliança), era muito grande para podermos atingir nesse dia, com a má estrada que liga essa vila a Formosa.  

O prefeito, aliás, já havia reservado aposento para nós no Hotel Amato, o único da cidade, que muito deixava a desejar em higiene e conforto. Depois de trocarmos ideias com o prefeito, ficou resolvido que seria reservada e preparada uma área de 1.000 por 600 metros, para o campo da aviação, com a possível brevidade, pois que o terreno se apresentava deveras favorável.

Expusemos ao prefeito qual a orientação seguida pelo Departamento de Aeronáutica Civil, de que os campos de aviação deveriam ser aeroportos municipais, preparados e conservados pelas respectivas prefeituras; o prefeito assegurou-nos que seria baixada a lei municipal necessária nesse sentido, reservando a área do terreno, cercando-0 e preservando-o de construções nas proximidades.

Junto ao campo existe um posto metereológico do Ministério da Agricultura; conversando com o encarregado, verificamos que a cidade dispõe de ótimo clima. 

O vento normal é do quadrante E, muito fresco até meio dia, e quase sempre forte; em junho e julho é gélido. De outubro a abril há chuvas gerais, sendo dezembro o mês mais chuvoso. Em janeiro, há ali o “veranico”, de 15 dias, semelhante ao de maio no sul do País.

O vento em Formosa, encanado no vale em que está localizada a cidade, desvia a direção, dando a indicação errônea; desde que se suba o planalto ao Norte da cidade verifica-se isto.  o então responsável pelo posto metereológico, perturbado pelo interrogatório que fazíamos, dava a impressão do aluno descuidado ante o inspetor escolar; no entanto, tinha seu serviço religiosamente escriturado.

A energia elétrica de que dispõe a cidade é captada na cachoeira das Bandeirinhas, em 3 saltos, com 62 metros de queda, situada a 12 quilômetros da cidade (220 volts, 50 ciclos).

A entrada para a usina tem rampas fortes e curvas bem perigosas. A força e luz necessárias para o aeroporto pouco dispêndio darão, pois bastará puxar os fios só por 1 quilômetro. 

Existe na cidade uma pequena oficina mecânica. Há médico e fazem os habitantes grandes esforços para construir um hospital. O local escolhido para o hospital tem um panorama deliciosamente lindo, dominando a Lagoa Feia. 

Próximo à cidade há uma mina de minério de ferro, que foi muito explorada no tempo do Império, e que, segundo informações locais, tem um teor de 90% de ferro puro. Achamos exagerado o teor; e só um exame químico revelará a verdade.

Lysias Augusto Rodrigues (1896-1956) – em Roteiro do Tocantins, Revista Aeronáutica Brasileira, 3a edição, 1987. Foto do Aeroporto de Formosa (data indefinida): mapio.net


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

loja Xapuri camisetas

Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 
COMPRE AQUI

Réquiem para o Cerrado

 
%d blogueiros gostam disto: