Processo contra Benki afronta o povo Ashaninka

Carta de manifestação da Associação Apiutxa sobre o processo criminal da Justiça do Acre em que Benki é réu: 

Viemos através deste documento nos manifestar em nome da Associação Apiutxa, do povo Ashaninka do rio Amônia. Em nome de Francisco Piãko, afirmamos que Benki Piãko é membro de nossa organização e uma das lideranças Ashaninka.
 
Afirmamos que sua história é pautada pela defesa dos territórios indígenas, dos povos da floresta e dos direitos humanos. Por isso, entendemos que a forma como foi conduzido o processo judicial ao qual Benki responde constitui uma afronta à nossa história e à trajetória do povo Ashaninka.
 
Em nome de Wewito Piãko, solicitamos que o trabalho Ashaninka de proteção de fronteiras e recuperação do território, assim como as ações socioambientais executadas por esse povo (também através do trabalho de Benki) sejam vistas e reconhecidas pelo governo e pela justiça brasileira. É muitas vezes o povo Ashaninka que assume a responsabilidade de ações que deveriam ser executadas pelo Estado.
 
Benki Piãko é representante do povo Ashaninka na cidade de Marechal Thaumaturgo e, por isso, é em nome do povo Ashaninka que esperamos que a justiça do Acre reconheça quem Benki realmente é: um ator socioambiental, que trabalha em prol da melhoria do meio ambiente e da qualidade de vida de toda a população de Marechal Thaumaturgo.
 
O que vem acontecendo com Benki hoje já aconteceu, de alguma forma, com todos nós. Precisamos transformar esse quadro histórico de perseguição do povo Ashaninka e dar o devido reconhecimento às ações socioambientais que realizamos.
 
Em nome de Moisés Piãko questionamos o Estado Brasileiro sobre quais garantias o povo Ashaninka têm enquanto povo indígena e cidadãos brasileiros. Em qual parte da legislação brasileira está a proibição em relação ao desenvolvimento de planos de sustentabilidade?  Estes são, em alguma hipótese, ilegais? Ou mesmo prejudiciais a qualquer pessoa que não seja Ashaninka?
 O Estado Brasileiro precisa valorizar de forma mais efetiva o trabalho de desenvolvimento sustentável.
 
O trabalho do povo Ashaninka é o da proteção das águas, das florestas, dos animais e dos seres humanos. Trabalho que também é reconhecido como direito de todos, através dos artigos de direito fundamental da Constituição Federal do Brasil. Por isso questionamos: por que somos punidos (ao invés de sermos reconhecidos) pelo trabalho que estamos fazendo?
 
O povo Ashaninka nunca se apropriou da terra, da casa, do alimento, da madeira, do boi, do açude ou do peixe de ninguém, pois nós respeitamos o direito e o espaço de todos.
 
Além disso, auxiliamos a todos que se interessam pelo nosso trabalho a praticá-lo também em suas terras. E, não há na lei, nenhuma proibição a trabalharmos juntos em prol da recuperação ambiental e da construção da segurança alimentar das famílias envolvidas.
A nossa história está aí e todos que têm compromisso com a natureza sabem do nosso trabalho.
 
Nosso trabalho vem para somar e ajudar a quem precisa, e não para ir contra qualquer esfera ou sistema de governo. Convidamos a justiça do Estado do Acre a ouvir o povo Ashaninka e os jovens da Associação que trabalham com Benki em relação ao processo criminal.
 
Que não se ouça apenas um lado da história. Essa forma de condução de um processo é suficiente para dar uma sentença a alguém?
Somos cidadãos brasileiros como todos e exigimos sermos tratados com a justiça e o respeito devido a todo cidadão desse país.
 
 
ANOTE AÍ:
Documento enviado por Jairo Lima, indigenista acreano, do blog  Crônicas Indigenistas
 
Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?
ASSINE AQUI

 
 
CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
[instagram-feed] [instagram-feed]