É tempo de se aquilombar

“O aquilombamento é uma necessidade histórica, é um chamado, uma reconexão com nossa ancestralidade para atuar no presente, é construir esperança, é construir força, é construir sonho, é construir um futuro melhor!”

Por Joselicio Junior – revistaforum

A esperança é o sentimento que nos move. Sonhar, lutar e acreditar que podemos construir algo melhor para nós e para as próximas gerações.
Somos um povo sofrido que resiste há séculos, lutamos até hoje contra os invasores que querem tomar nossas terras. Lutamos contra a escravização dos nossos corpos por mais de três séculos e neste processo construímos alternativas de sociabilidade, que foram os quilombos.

O aquilombamento foi uma experiência concreta, que demonstrou na prática que era possível construir uma outra sociedade mais humana, mais justa, mais ambientalmente viável. Os quilombos são o resultado da ousadia, da perspicácia de um povo que não se curvou diante das dificuldades e das barreiras que pareciam intransponíveis. O fim da escravização foi fruto dessa luta.

Os desafios e as dificuldades não acabam com o fim da escravização, mas ganham novos contornos. A luta passa a ser pela sobrevivência, pelas tentativas de integração social, econômica e cultural, pelo direito de existir. Questões que estão colocadas até hoje pelo povo negro em nosso país.

Na atualidade atravessamos um momento de profundas dificuldades, ausência de emprego e poucas alternativas de geração de renda. Quem consegue emprego precisa se deslocar por longas horas no transporte público e muitas vezes não tem com quem deixar os filhos pela ausência de creches. Nos bairros onde moramos falta muita coisa, a escola é precária, falta remédio no posto, não tem espaços culturais e de lazer, nos sentimos inseguros, inclusive com a presença daqueles que deveriam nos proteger.

O cotidiano massacrante nos faz parecer fracos, impotentes, incapazes de mudar os rumos e a rota da vida. Isso nos traz a necessidade de sempre buscar um conforto, um acalanto, algo que nos alimente de esperança para seguirmos em jornada. Essa busca não deve ser individual, mas coletiva.

São nesses momentos difíceis que mais precisamos resgatar a força de nossos antepassados. Aquilombar-se é se nutrir da ancestralidade, compreender as tecnologias e métodos que construímos ao longo dos séculos, que nos permitiu chegar até aqui. Esse pertencimento e essa identidade são fundamentais para percebermos que não estamos sozinhos e que precisamos estar irmanados, agindo coletivamente e estrategicamente.
Aquilombar-se na atualidade é estabelecer o Autocuidado, construir espaço coletivos de afeto, de acolhimento, de escuta, de sociabilidade, de sentidos coletivos, de fortalecimento de laços, memórias e constituição de uma identidade.
Aquilombar-se é se Organizar, constituir espaços que possamos refletir e agir sobre a nossa realidade. Questionar o que está posto que nos oprime e construir demandas, ações concretas, nos colocar em movimento para mudar nossa realidade.
Aquilombar-se é compreender a nossa história, nossas origens, nossa cultura, resgatar nossas memórias, é lembrar o passado, para entender o presente e construir o futuro. Isso nos faz perceber o quanto a Ação Cultural e Ação Política caminham juntas e formam uma tecnologia poderosa de organização e intervenção social.
Aquilombar-se é se Organizar, constituir espaços que possamos refletir e agir sobre a nossa realidade. Questionar o que está posto que nos oprime e construir demandas, ações concretas, nos colocar em movimento para mudar nossa realidade.
Aquilombar-se é compreender a nossa história, nossas origens, nossa cultura, resgatar nossas memórias, é lembrar o passado, para entender o presente e construir o futuro. Isso nos faz perceber o quanto a Ação Cultural e Ação Política caminham juntas e formam uma tecnologia poderosa de organização e intervenção social.
O aquilombamento é uma necessidade histórica, é um chamado, uma reconexão com nossa ancestralidade para atuar no presente, é construir esperança, é construir força, é construir sonho, é construir um futuro melhor!
Fonte: Revista Fórum


 

Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 
COMPRE AQUI

%d blogueiros gostam disto: