Cordel das Festas Populares: Viva o Folclore Brasileiro!

Por Gustavo Dourado
A Ciência do Folclore
Aprendi com o Cascudo
Patativa deu o mote
Ariano conteúdo
Vitalino esculpiu
Cartola nos disse tudo
Cultura e arte do povo
Cerimônias…Rituais
Expressões do sentimento
Desatam laços sociais
Lava a alma da gente
Sonho, canto, festivais
Baião de dois, Farinhada
A sagrada rapadura
Bebo uma talagada
Gole de cachaça pura
Para cantar o Brasil
E os festejos da cultura
Conhecimentos e crenças
Conjunto das tradições
Danças, ritmos e lendas
Fábulas…Superstições
Comidas e vestimentas
Mitos…Adivinhações
São muitos ciclos festivos
Ano-Novo e Carnaval
Ciclo das Águas e do Divino
Sacro ciclo quaresmal
Ciclo junino e julino
Papai Noel no Natal
Diversos ciclos festivos
Festas do Cristianismo
Divindades, santos, santas
Festejos do ecumenismo
Nosso Senhor, Nossa Senhora
Procissões do sincretismo
Os índios também celebram
Fazem os seus festivais
É festa de todo tipo
Festanças monumentais
Tem as festas evangélicas
E as festas orientais
Folguedos, bailes e cultos
Práticas devocionais
Tropos, autos, malhações
Votos sobrenaturais
Deuses, bruxas, orixás
Viagens transcendentais
Tantas festas populares
Lembranças e emoções
Carnaval sempre presente
Na marcha dos corações
Desfiles nas passarelas
Em dia brados foliões
Mani.fest.ações de rua
O Galo da Madrugada
Trio Elétrico da Bahia
No Cerrado a cavalhada
Catira…Cordel…Divino
Cateretê e congada
Juninas festas julinas
Sobressai o São-João
Quadrilhas, arrasta-pé
Fogos, fogueira, balão
Pamonha e milho assado
Festa boa é no Sertão
Música, teatro, dança
Sinônimo de alegria
Uma lona colorida
O palhaço que arrelia
Desde Maximus em Roma
O circo nos fantasia
Sociedade do Espetaculo
Des.Ilusão, malabar
Platéia – arqui.bancada
Gol na festa popular
Futebol circo moderno
A multidão a sonhar
Garrincha, alegria do povo
Fez a massa delirar
Driblava Zé e João
Era festa popular
O anjo das pernas tortas
Soube carnavalizar
As palhaçadas da vida
Sonho televisionado
Bobo da corte moderno
O povo vive adestrado
Novelas do cotidiano
No mundo globalizado
Bailes em todo o Brasil
Centro, Sul, Sudeste, Norte
O Nordeste pega fogo
Alma em teletransporte
Carnaval é poesia
A vida ilude a morte
Abre Alas com Chiquinha
No entrudo, teve origem
Cordões pelas avenidas
Balanço que dá vertigem
A multidão se sacode
Manda embora a fuligem
Noel, Ary, Pixinguinha
Jacob com seu bandolim
Trio elétrico na folia
Armandinho, serafim
Dodô e Osmar no ritmo
Salve o Senhor do Bonfim
Carmen Miranda, Tropicália
Bumba-Meu-Boi sedutor
Maxixe, afoxé…lundu
O samba interlocutor
Todo mundo na folia
Ritmos de paz e amor
Sortes e adivinhas
Simpatia e acalanto
Pai-Nosso, Salve-Rainha
A festa é um encanto
Santo de cabeça pra baixo
Atrás da porta no canto
Crisma, batismo de fogo
Dançar e pular fogueira
Assar batata na brasa
Cantar a Mulher Rendeira
Baião de Luiz Gonzaga
Com forró a noite inteira
Latada, pamonha, canjica
Mel, cuscuz e macaxeira
Cachaça de alambique
Cana boa de primeira
Quentão, verso, cantoria
Para curar a pasmaceira
Festival da Música Brasileira
Festival da Nova Música Popular
Festival Internacional da Canção
O Cantador a declamar
Alegria, Alegria
Vamos todos festejar
Dancei no Boi do Teodoro
Desfilei no Pacotão
Charles Preto na surdina
Perfilou na contramão
Cassetete da Polícia
Abaixo a Repressão
Cantigas…Contos… Brinquedos
Nos sonhos do dia-a-dia
Oktoberfest, micarê…
Máscaras da fantasia
Joãozinho Trinta – Jamelão
Nossas festas têm magia
Amazonas, Parintins
Caprichoso e Garantido
Cunhã Poranga e Pajé
Saci e boto atrevido
Gigante Juma – Curupira
Boitatá bem sacudido
Bumbódromo tupiniquim
ilha Tupinambarana
Mapinguari e Mãe-Dágua
A floresta nos irmana
Açai…Cupuaçú
Ecos da sussuarana
Dança a Mula-sem-cabeça
Mãe-de-ouro na folia
Corpo-Seco, Pisadeira
Destranca a rua, Maria
Com as sete chaves da vida
Consagrada epifania
Nosso Senhor dos Navegantes
Linda Conceição da Praia
Fui à Pesca do Xaréu
No mar se via arraia
Na Festa de Iemanjá
Capoeira, mini-saia
Nossa Senhora do Rosário
Pirenópolis-Catalão
Goiás Velho e Trindade
Juazeiro no Sertão
Lampião e Padim Ciço
Reza de Frei Damião
Raízes culturais do Brasil
Questão de identidade
Tem Círio e Aparecida
No Interior e na cidade
Procissão do Fogaréu
Festa…Multiplicidade
Candomblé Umbandaum
No Pelô o saravá
Mãe Menininha, a bênção
Iluminou Gantoá
Os orixás da Prainha
No Lago Paranoá
Ciranda, Cirandinha
Lia de Itamaracá
Serenata, romaria
Seu Ioiô e Dona Iaiá
Pega-pega; esconde-esconde
Lá…aqui e cacolá
Parlenda, cantiga de roda
Trava-a-língua e tirana
Anedota, causo e piada
Na casa da Mãe Joana
Tem chorinho e modinha
Lá na Vila Mariana
Mestre Salustiano se foi
Antônio Nóbrega ficou
O Quinteto Violado
A sua marca nos deixou
Na Afrociberdelia
Chico ciência cantou
No ritmo do improviso
Inácio da Catingueira
Cego Aderaldo na rima
Desafia Zé Limeira
Festa em Campina Grande
Xaxado…Mulher Rendeira
Repercutem os tambores
Oferenda a Iemanjá
Oxum, Xangô, Iansã
Oxóssi, Ogum, Oxalá
Macumbanda…Candomblé
Iaô…Ylê…Iaiá…iaiá
Cristão e mouros em luta
A famosa cavalhada
Pastoril e seus cordões
Sebastião na congada
Zabumbas e maracás
Sacodem a caboclada
Nossa Senhora Aparecida
Festa da Boa Viagem
Santos Reis, São Benedito
Chegança…Camaradagem
Pajelança…Uca-Uca
Nossos ritos de passagem
O Brasil se sassarica
Se sacode na noitada
Pula, dança e festeja
Pagode e marujada
Xoxoteia xaxaxando
Se remexe na lambada
Nas festas de hoje em dia
Tudo está muito mudado
Tem show e tecnologia
Se perdeu o rebolado
Saudade do forrobodó
No terreiro e no roçado
Nas noites de minha infância
Não tinha eletricidade
A luz era à luz da lua
Tinha estrelicidade
Das festas de eu menino
Lembro e morro de saudade
Nosso povo é sonhador
Deseja o essencial
Terra, amor, casa, comida
Trabalho, vida normal
Quer a paz e equilíbrio
E festejar o Carnaval
Valorização da Arte
É ação de resistência
A cultura é vital
Em nossa sobrevivência
Livros, arroz e feijão
Na festa da consciência
A você tudo de bom
Saúde…Fraternidade
Um Natal de harmonia
Luz…Solidariedade
Paz…Amor e Alegria
Sucesso e Felicidade
Um Ano-Novo de glórias
Sua estrela vai brilhar
Que tudo se concretize
Possa a vitória alcançar
Multiverse a fantasia
Numa Festa Popular
Gustavo Dourado

ANOTE :
Cordel das Festas Populares
Recitado por Gustavo Dourado na Rádio Nacional – Programa Feira Livre: Homenagem ao 22 de agosto, Dia do Folclore.
Foto de capa: Jairo Lima – Crônicas Indigenistas 
 
Gustavo Dourado é um dos maiores poetas-cordelistas do Brasil. Sua excelente e extensa produção literária pode ser encontrada em Gustavo Dourado. Gustavo é também presidente da Academia de Letras de Taguatinga.

Block
UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
[instagram-feed] [instagram-feed]