fbpx

Frei Sérgio: Negou a vacina, agora nega comida

A causa real da fome é o total desprezo de Bolsonaro pelos que produzem alimentos para o mercado interno…

Por Frei Sérgio Antônio Görgen

O aumento da fome e a inflação dos alimentos no Brasil são consequências de uma mesma causa: a baixa oferta de alimentos no mercado interno nacional.

É o que os especialistas da economia agrícola convencional chamam de “choque de oferta”, quer dizer, pouco alimento à disposição dos consumidores. Pela lei de mercado, quando tem baixa oferta e alta procura, os preços sobem. Quando os preços sobem, compra quem tem dinheiro e os mais pobres passam fome.

Claro que o desemprego e a falta de renda para grandes maiorias têm grande impacto também. Mas se tivesse maior poder de compra com baixa oferta, a inflação da comida seria ainda maior.

O problema de fundo é outro. Porque tem baixa oferta de produtos de consumo popular?

Os economistas do “choque de oferta”, liberais conservadores alinhados ao agronegócio, já estão começando a esboçar explicações para as causas desta baixa oferta: pandemia, estiagens e dólar alto.

Ora, a explicação da estiagem e da pandemia não se sustenta quando alardeiam a maior safra de soja da história do país. Então a pandemia e a estiagem impediram a produção de feijão, arroz, mandioca, batata, leite, hortigranjeiros, frutas e não na produção de soja?

Estiagem teve impacto, sim. Mas em parte. Câmbio (dólar) alto é uma consequência a mais da desastrada política econômica do Guedes.

Então, a causa real é a política do governo Bolsonaro de total desprezo pelos que produzem alimentos para o mercado interno: os camponeses, agricultores familiares, pequenos produtores, pouco importa a denominação. Foram abandonados pelo Estado brasileiro, que destruiu as políticas de apoio a este enorme grupo social e ao seu denodado trabalho de produzir o que enche de fartura as mesas do provo.

Jogados à lógica da concorrência desleal de mercado – Bolsonaro, Guedes e Tereza Cristina – fizeram com que suas terras e seus esforços fossem tragados pelo cultivo da soja com altos ganhos no mercado internacional e dólar alto. Só ação decisiva do Estado evitaria este desequilíbrio. Fez o contrário: expandiu da soja.

Os Movimentos Sociais do Campo e da Cidade – percebendo os efeitos e as consequências desta política desastrosa – propuseram uma proposta modesta para amenizar os efeitos desta política de desgraça, uma lei para estimular a produção de alimentos com fomento, crédito de emergência, aquisição de alimentos para doação, equação do endividamento e assistência técnica. Foi batizada de lei Assis Carvalho e aprovada com ampla maioria na Câmara e no Senado.

Bolsonaro vetou.

Novo Projeto de Lei, com conteúdo semelhante, foi apresentado este ano e está com prioridade de votação na Câmara. Governo Bolsonaro vai votar contra e se for aprovado, veta de novo.

Então está claro: Bolsonaro quer a fome e a careza dos alimentos.

Fome e corrosão do poder de compra do salário para milhões de famílias.

Negou vacina, agora nega comida.

Genocídio duplo. Negação da vacina tira a vida de idosos. Fome mata crianças.

*Frei Franciscano, militante do MPA e autor de “Agricultura Camponesa Familiar: Indispensável Para Reconstruir o Brasil”

 

Fonte: Brasil de Fato

Sobre o Autor


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?
ASSINE AQUI