Lula: “Quero provar que o Nordeste não nasceu para ser pobre”

“É esse país que eu quero recuperar: quero que o povo nordestino acorde de manhã dizendo ‘nós podemos, nós merecemos e nós vamos fazer´, disse Lula em entrevista…

Por PT Nacional

Nesta quarta-feira (9), durante entrevista à Rádio Clube de Pernambuco, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o legado que seu governo deixou no Nordeste, destacando especialmente a melhoria na educação e as obras da transposição das águas do Rio São Francisco. Ele disse que, quando presidente, sabia que tinha que recuperar o atraso que o Nordeste foi submetido por muitos anos, realidade que a região está sendo novamente submetida agora, com o atual presidente.

“Agora, o presidente que está aí não liga para o Nordeste. Ele está visitando o Nordeste agora por causa das eleições, mas brigou com governadores e prefeitos e ofendendo nordestinos. Ainda esta semana ele disse que tem muito ‘pau de arara´ em São Paulo, ele é uma pessoa sem escrúpulos”, disse Lula.

O ex-presidente afirmou que quer provar que o Nordeste não nasceu para ser pobre. “O Nordeste tem potencial extraordinário. Por isso fizemos investimentos em universidades, em escolas técnicas. É esse país que eu quero recuperar: quero que o povo nordestino acorde de manhã dizendo ‘nós podemos, nós merecemos e nós vamos fazer´. Que o povo nordestino não levante de manhã falando de miséria e de fome, ele tem que falar de bonança, de coisa boa, tem que falar que tem direitos e andar de cabeça erguida, porque é esse Nordeste que nós vamos reconstruir outra vez”, afirmou.

 

Destacando que a região cresceu muito na sua gestão, Lula lembrou das visitas que fez à região como presidente, sentindo orgulho da prosperidade na época. “O Nordeste já cresceu muito. Você não sabe o orgulho que eu tenho de ter chegado em Caruaru e encontrado, na faculdade de medicina, muita gente de São Paulo, do Rio Grande do Sul… dizendo ‘poxa, presidente, eu não conhecia o Nordeste, agora eu tô dando aula aqui, eu não quero mais voltar pro Sul, aqui tem mais segurança, aqui a gente tem mais tranquilidade além de ter mais sol e mais calor´. Esse e o Brasil que eu quero criar, que o pernambucano viaje para o Rio Grande do Sul a passeio, de férias e não atrás de um miserável emprego pra trabalhar de pedreiro”, disse Lula.

O ex-presidente também criticou a imagem que havia sido criada no passado para o povo nordestino. “Você sabe que eu era revoltado, não gostava de ver as pessoas falar ‘ah, mas nordestino é bom, nordestino veio pra São Paulo construir as pontes, construir viaduto, construir prédio, não, a gente não quer ser só pedreiro, a gente quer ser engenheiro, a gente quer ser arquiteto, quer ter um diploma de doutor e quer ganhar mais salário, porque a gente gosta de viver bem. Isso que é a consciência do povo nordestino e eu tenho orgulho de dizer, que o nordestino não deve nada a ninguém nesse país”, afirmou.

Transposição do Rio São Francisco

Sobre a transposição do São Francisco, Lula lembrou que era uma obra pensada desde os tempos do Império, mas que jamais havia saído do papel, por inúmeras questões políticas.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

“Fizemos a transposição do Rio São Francisco, que ninguém tinha coragem de fazer, dom Pedro, quando era imperador, não conseguiu fazer, os militares também. Tentei convencer as pessoas que o São Francisco é um rio nacional, ele é do Brasil, os donos dele são os brasileiros. Agora a transposição está sendo concluída”, afirmou.

O ex-presidente disse esperar que Bolsonaro tenha coragem de dizer que a obra era de Lula. “Eu espero que Bolsonaro, que tá fazendo viagem pra inaugurar os pedacinhos que ele concluiu, que tenha a coragem de dizer ‘olha, eu tô inaugurando aqui, mas quem começou essa obra foi o presidente Lula, foi um pernambucano, saído de Caetés, num pau de arara, com diploma de torneiro mecânico, que teve a coragem de fazer a obra do século no nosso país, que foi levar água para 12 milhões de nordestinos que vivem no semiárido”, concluiu.

Bolsa Família

Lula disse ainda que o Bolsa Família, cancelado pelo atual governo, não era apenas um programa de distribuição de renda, mas era um programa com o qual os beneficiados tinham um compromisso. “ A mãe tinha que colocar os filhos na escola, a mãe tinha que fazer exames, se soubesse que estava grávida, a mãe era obrigada a dar vacina nos filhos… Era um programa que tinha interesse social, mais do que dinheiro.”

Ele lembrou que quando era presidente ouviu muitas vezes que as notícias de diziam que o Nordeste crescia em ritmo chinês e que, caso seja candidato e eleito, vai reunir os governadores e prefeitos para discutirem conjuntamente que políticas precisam ser feitas para desenvolver cada estado e cada município. “Não é possível você imaginar que consegue governar o Brasil de Brasília”, afirmou, lembrando que quando foi presidente criou uma sala de prefeitos no Planalto.

Do site lula.com.br

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]