Missão Anticâncer: Dicas para desestressar o zap

Nossa prosa hoje começa com formas de lidar com o  estresse que a comunicação via zap traz pras nossas vidas. Mas o que é que isso tem a ver com câncer?

Por Zezé Weiss

Os dias por aqui andam muito lindos e cheios de cores pra eu querer falar de câncer. Vieram ótimos os  resultados das biópsias que fiz recentemente: não foram encontrados sinais de malignidade no linfonodo da minha axila esquerda. Dessa vez, felizmente o bichinho deu de ser inofensivo.

Depois de ano e meio na pauleira do tratamento com químio dupla (metade de 2015 e 2016 todinho), e outro meio ano com radioterapia, com direito a todos os efeitos colaterais possíveis, além de uma mastectomia bilateral radical  e desses expansores que até hoje me atazanam a vida, nesses últimos anos,  livre de más notícias, acabei  dando  um tempo no meu papo reto sobre o câncer.

Mas como decidi escrever  sobre este assunto para, no que eu puder, ajudar outras pessoas a lutar contra essa doença traiçoeira, falo hoje de umas das razões do câncer, o estresse.  Sim, porque a  gente sabe que uma parte dos cânceres é genética, mas uma outra boa parte é comportamental: vem da dieta, do sedentarismo, e do estresse.

Com a cura do câncer (depois de cinco anos o medo alivia) e com esse distanciamento social forçado pela pandemia,  tento viver cada vez mais simples: acordo, dou um pulo na minha vizinha para uma prosa regada a  um bom copo de café amargo, faço o almoço do Joe, depois trabalho um tanto. Fim de tarde,  ando um pouco pelo quintal,  para reverenciar a natureza e celebrar a vida, antes de trabalhar mais um tanto.

Caminho atenta, mas com o celular na mão. Essa mania, não dei de perder, ainda. Posso sempre fazer umas boas fotos, é a desculpa que me dou.  Mas a verdade é outra.

A verdade é que sou viciada em zap.  Me relaxa, me acelera, me deixa conectada com o mundo.  Em geral gosto muito do que chega. Mas tem horas que  que fico estressada só de pensar no tanto de coisa que vou ter que apagar  sem ler.

Tem dias que já amanheço com tanta mensagem, que me estressa só de ter que decidir por onde começar… Na manhã de hoje, optei por um grupo da resistência.

continua depois da propaganda

Nele, um companheiro querido postou um link de uma  coluna  chamada de Dica e Estilo do portal Terra , com “13 coisas que você nunca deve fazer em grupos de WhatsApp“.  São dicas preciosas pra não abusar dos grupos e, assim, evitar estresse em sua própria vida.

Essas dicas me ajudaram muito a compreender a razão da minha agonia com o zap. A partir delas,  acabei inventando as minhas próprias, que compartilho aqui com você.

  1. Bom dia … Tem gente que manda bom dia com anjo, depois com flor, depois com cachorro, estrela, papagaio … Comigo não precisa toda essa gentileza porque essas figuras comem a minha bateria e aí o meu dia já começa péssimo. Mas se mesmo assim insistir em mandar, por favor, não precisa encher a caixa do grupo (nem a minha pessoal) com a coleção inteira!
  2. Nem todo mundo é coruja da madrugada… Essa dica me pegou de cheio. Como de noite durmo pouco, acabo mandando zap pra adiantar o expediente do dia seguinte. Que feiúra, essa minha! Daqui pra frente, do lado de cá acabaram as mensagens da madrugada (será?), a menos que seja pra alguém que dorme nos mesmos horários que eu. Prometo que vou tentar.
  3. Roupa suja se lava em casa … Mensagens, longas ou curtas, sobre assuntos totalmente alheios ao  interesse do grupo (ou meu) – barraco de família , brigas de rua,  ataques ao PT, infidelidades conjugais… é cada coisa!  Se a gente pensasse um segundo antes de bater o dedo no teclado, muita fofoca seria evitada, muito tom seria baixado e muito menos tempo seria gasto com essa espécie de terapia coletiva não solicitada…
  4. Nhanderu, tende piedade de todos os santos… Essa eu vou copiar do jeitinho que está na dica de estilo do Terra: “Se você é daqueles que mandam uma palavra por mensagem, saiba que a culpa de “silenciar o grupo” é toda sua”. Pior: tentar convencer as pessoas das crenças da gente com mensagens religiosas é ó do borogodó.  Isso vale pra mensagens de padre, pastor, pajé, e até do santo Papa. Cada qual com sua fé, mas no particular, por favor!
  5. Cobrar resposta, esse é outro ó do borogodó… Procuro responder  100% das mensagens da minha caixa. Nos grupos, nem sempre. Tem coisas que não tem nada a ver comigo. Ou tem gente que é chata demais, acha que sabe mais do que todo mundo e eu toco um nem tchum. Mas aí vem a figura se achando no direito  de me  de cobrar resposta: “Eu vi que você leu, não respondeu por que?” Porque não quis, ora bolas!
  6. Letras maiúsculas, nem pensar: Essa é outra gafe que a gente faz  mesmo sem perceber (tenho me policiado, mas de vez em quando acabo na reincidência). ESCREVER EM LETRA MAIÚSCULA  e, ainda por cima, negritar as palavras pra tentar chamar a atenção  não só é deselegante, é cansativo pra quem lê, então melhor evitar, não é mesmo?
  7. Fotos …  Claro que amo receber figurinhas, memes (esses eu gravo sempre), vídeos e fotos, desde que pouca coisa  de cada vez. Mas tem umas que não precisavam chegar, não mesmo! Dispenso os selfies de “nudes“, as fotos de hospital, e as de acidentes, próprios ou dos outros. Isso sem falar em retrato de gente morta. Postar, pra quê?

Essas sete são as razões do meu estresse no zap.  Daqui pra frente,  vou pensar 13 vezes antes de mandar outra mensagem para as minhas amizades ou nos meus grupos. Sorte sua, se estiver nas minhas listas. Sorte minha, se essas dicas te servirem para gerar menos estresse e mais felicidade entre as pessoas que te leem. Menos estresse, mais qualidade de vida, menos chance de câncer.

Aquele abraço!

P.S. Só tem uma coisa que não tem jeito: alguém xingar o Lula. Aí viro onça, e todas as regras vão pro escambau. Então, se você gosta de euzinha e preza pela minha saúde, deixa o Lula pra lá!

continua depois da propaganda

Outro P.S. – Agora quem está passando um perrengue com o câncer é  o Joe. Foi operado  em maio, vai ter que fazer um tratamento longo, mas dentro do possível ele reage bem e nós estamos com muita energia para vencer essa doença de novo. 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA? 

ASSINE AQUI

 

 

continua depois da propaganda