Em três dias de densas caminhadas reuni Maiakovski, Mendel, Korin, Dostóievski e Kropotkin nos subterrâneos de Moscou. Encontrei suas histórias, feitos, graças e desgraças a referenciar com seus nomes as mais encantadoras e funcionais estações de um sistema metroviário do planeta – o metrô de Moscou, o sexto mais extenso e denso de todo o mundo.

A cada lance vencido por meio de profundas e estreitas escadas rolando gente, pude reviver versos revolucionários, comprovar teses da genética, experimentar realismos em tintas restauradas, cumprimentar os irmãos Karamazov e recriar as utopias dos anarco-comunistas.

A história dos grandes ornamenta as plataformas de conexão do metrô, fazendo do sistema não exclusivamente um meio para se chegar a um destino, mas um destino em si mesmo. O conceito coletivista e a estética de suas estações são o palco da coreografia de um balé cotidiano de nove milhões de pessoas subindo e descendo a cumprir seus trajetos – frenética e bela cidade embaixo de outra.

Inaugurado em 1935 na era dos planos quinquenais de Stalin, o metrô de Moscou impressiona a partir de sua própria história e simbolismo. “Que as estações sejam ‘Palácios do Povo’”, ordenou o líder soviético para mostrar ao mundo que o rápido processo de urbanização da cidade homenageava o modo coletivo de se deslocar naquela que viria a ser, em pouco tempo, a maior metrópole da Europa.

De fato, a considerar os padrões e conceitos que conheci ao longo de minhas vivências e viagens, mais parecem museus e palácios as estações do metrô de Moscou – tributo ao povo moscovita, que orgulhosamente testemunharam 44 de suas estações serem catalogadas como patrimônio histórico e cultural da humanidade.

É possível identificar nesse gesto stalinista o contraponto aos conceitos de mobilidade urbana prevalentes nos Estados Unidos, cujas grandes cidades como Los Angeles e Nova Iorque se estruturavam para suprir as demandas do transporte individual motorizado como elemento indutor de desenvolvimento econômico e social.

Do lado russo, o coletivo; do lado estadunidense, o individual – era a “guerra fria” esquentando nosso mundinho a partir de duas distintas políticas de mobilidade! Numa tarde, sentado na estação Kropotkinskaya me permiti incluir São Paulo no debate, onde está instalado nosso maior metrô, mas envergonhei-me a partir do mais óbvio – a limpeza do ambiente, a começar dos banheiros.

Praticamente com a mesma população de São Paulo (12 milhões de habitantes), os banheiros públicos de Moscou são a antítese dos paulistanos. Os do metrô então, mais reluzentes do que o banheiro da minha própria casa. O desafio a que me impus diante de todo o sistema foi encontrar um papelzinho esquecido sobre os granitos dos seus assoalhos – não encontrei!

Quanto à técnica do sistema metroviário de uma e outra cidade, a diferença é incisiva: o que temos em São Paulo são buracos de transposição de gente entre a superfície e os trilhos; em Moscou, a certeza de que tempo e espaço não são grandezas obrigatoriamente determinantes para sua gente, mas a contemplação.

Não há o que estranhar no quesito urbanidade, pois São Paulo com seus 463 anos jamais será comparável a Moscou com 870 anos. As distintas culturas e processos educacionais encontram na antropologia a justificativa de tamanha diferença no mesmo espectro da economia emergente.

É preciso destacar, no entanto, o fato de que os equipamentos e conceitos de vida urbana são universais, vêm da antiga Grécia onde a ecologia e o cotidiano das cidades eram espaços de convivência das pessoas e não meros pontos de passagem – alcançáveis, portanto, pela gestão urbana contemporânea. Aqui a questão é de decisão, atitude governamental, antes de tudo!

Os meus caminhos em Moscou os defini aleatoriamente em movimentos pendulares centro-bairros-centro-bairros-centro, muito distante dos lustrosos pontos turísticos da cidade, deliberadamente para lhes sentir a realidade de seus viventes. O que descobri é que as civilizações podem, sim, ser melhores do que experimentamos na linha abaixo do equador.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO

 

Antenor Pinheiro
Jornalista.  Comentarista da CBN Goiânia. Membro da Associação Nacional de Transportes Públicos /ANTP.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO