O “estímulo” de garimpagem pelo decreto de Bolsonaro

Em 11 de fevereiro de 2022 o presidente Bolsonaro publicou um decreto estabelecendo o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Mineração Artesanal – Pró-Mape, que visa “estimular” a garimpagem “com vistas ao desenvolvimento sustentável”…

Por Philip Martin Fearnside/via Amazonia Real

Na verdade, o que seria estimulado não é nem “artesanal” nem “desenvolvimento sustentável”. A visão da garimpagem sendo feita ao nível individual é hoje, em grande parte, mitológica: a exploração “garimpeira” na Amazônia geralmente está sendo feita com máquinas e infraestrutura caras, a atividade sendo comandada por empresários.
Quase toda a garimpagem é ilegal, embora existam cooperativas de garimpeiros que podem conseguir licenças para fazer a atividade legalmente graças à uma lei de 1989 [2]. O decreto recente do Presidente Bolsonaro cita esta lei para definir “mineração artesanal”, o que significa que essas pessoas jurídicas seriam “estimuladas”. O número dessas cooperativas explodiu desde o início do governo Bolsonaro [3]. Investigações recentes revelaram que muitas das licenças para cooperativas de garimpeiros são apenas fachadas para lavar o ouro tirado de terras indígenas e outros locais distantes do local licenciado, e, muitas vezes, os locais licenciados onde suspostamente grandes quantidades de ouro foram tiradas são, de fato, sob mata fechada sem nenhuma atividade [4]. O envio do ouro ao exterior é feito com base em uma licença de exportação na qual a suposta fonte do produto é autodeclarada, sem nenhum tipo de fiscalização [5].
A garimpagem de ouro na Amazônia é uma das principais fontes de impacto sobre povos indígenas, destruindo os cursos d’água, junto com os peixes que sustentam as populações, espalhando doenças e desestruturando os grupos tanto fisicamente como culturalmente [6-8]. A garimpagem de ouro libera grandes quantidades de sedimentos nos cursos d’água, e, também, libera mercúrio, que afeta tanto a população humana como a vida aquática [9]. Garimpagem em terras indígenas está atualmente ilegal, mas o projeto de lei 191/2020, se for aprovado pelo Congresso Nacional, abriria as terras indígenas para mineração, além de barragens, agronegócio, exploração madeireira e outras atividades feitas por não-indígenas. Centenas de pedidos de cooperativas de garimpeiros e outras empresas estão pendentes na Agência Nacional de Mineração (ANM), esperando a abertura das terras indígenas para essa atividade [8, 10-12]. O PL 191/2020 é um dos projetos de lei para qual o Presidente Bolsonaro pediu prioridade aos presidentes das duas casas do Congresso Nacional em fevereiro de 2021 quando o controle de ambas as casas foi capturado pela coalizão “Centrão” que apoia a agenda ambiental do Presidente [13, 14].
Além disso, há um impacto sobre o país como um todo, e especialmente sobre os locais da mineração, através da “maldição dos recursos naturais”. Não é por acaso que os países com os recursos minerais mais fabulosos, como a Bolívia e a República Democrática do Congo, também são os mais miseráveis. Há uma rica literatura que explica esta fenómeno (veja [15]). A garimpagem, junto com os outros tipos de mineração que estão cada vez mais fortes na economia brasileira, tendem a empurrar o país nesta direção.
Os impactos sociais e ambientais da garimpagem por si só tiram a “mineração artesanal” do rol de desenvolvimento sustentável. Além disso, a mineração de qualquer tipo é inerentemente insustentável, pois está sendo retirado o material mineral sem reposição. A maneira de contornar este problema proposta pela Comissão Brundtland, que impulsionou o conceito de “desenvolvimento sustentável”, foi sugerir que a renda da venda dos minérios teria que ser investida em programas que dariam uma atividade gerando uma fonte de renda sustentável para a população após o esgotamento do minério ([16]; Veja [17]). Infelizmente, isto basicamente nunca aconteça na realidade. Veja o exemplo da área da mina esgotada de manganês no Amapá [18].
O novo decreto do Presidente Bolsonaro tem sido redondamente condenado devido aos seus prováveis impactos na Amazônia [19-21]. No entanto, os garimpeiros, tanto trabalhadores como empresários, configuram uma parte favorecida da base eleitoral do Presidente Bolsonaro e têm recebido repetidas benesses ao longo do seu governo. Essas incluem recepções calorosas pelo Presidente, que em seguida lança críticas aos órgãos ambientais que tentam coibir a invasão de unidades de conservação e terras indígenas por esses grupos (por exemplo, [22-24). O presidente tentou proibir a destruição de máquinas quando exploração ilegal é flagrada [25] e tem interferido nos órgãos ambientais, tirando funcionários que reprimam a garimpagem [26-28]. Uma enorme “boiada” de normas internas instituídas por canetada dentro dos órgãos federais dificulta a repressão da garimpagem ilegal e outras infrações ambientais [29-31]. O resultado tem sido uma presunção de impunidade e um enorme surto de invasão de terras indígenas por garimpeiros [32-35]. Resta ver o que pode ser feito para atenuar o impacto do atual decreto, e de reverter o decreto depois que o Pró-Mape se torna um fato consumado.


A imagem que abre este artigo é de autoria de Bruno Kelly/Amazônia Real e mostra garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami em Roraima.


Notas
[1] Presidência da República. 2022. Decreto Nº 10.966, de 11 de fevereiro de 2022. Diário Oficial da União, 14/02/2022, Edição 31, Seção 1, Página 4.
[2] Presidência da República. 1989. Lei nº 7.805, de 18 de julho de 1989.
[3] Wenzel, F., N. Hofmeister & P. Papini. 2021. Cooperativas quase dobraram pedidos para garimpar ouro na Amazônia desde 2019. Folha de São Paulo, 01 de dezembro de 2021.
[4] Paraguassu, L. 2021. Quase 30% do ouro exportado pelo Brasil pode ser legal mostra estudo. Folha de São Paulo, 02 de agosto de 2021.
[5] Wenzel, F. & O. Christe. 2022. Amazon to Alps: Swiss gold imports from Brazil tread a legal minefield. Mongabay, 21 de janeiro de 2022.
[6] Barbosa, L.G., M.A.S. Alves & C.E.V. Grelle. 2021. Actions against sustainability: Dismantling of the environmental policies in Brazil. Land Use Policy 104: art. 105384.
[7] Fearnside, P.M. 2019. Exploração mineral na Amazônia brasileira: O custo ambiental. p. 36-43. In: E. Castro & E.D. do Carmo (eds.) Dossiê Desastres da Mineração em Barcarena: Disputas no Território e Comunidades Atingidas. Editora do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA), Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará. 253 p.
[8] Villén-Pérez, S., L.F. Anaya-Valenzuela, D.C. da Cruz & P.M. Fearnside. 2022. Mining threatens isolated indigenous peoples in the Brazilian Amazon. Global Environmental Change 72:  art. 102398.
[9] Fearnside, P.M., E. Berenguer, D. Armenteras, F. Duponchelle, F.M. Guerra, C.N. Jenkins, P. Bynoe, R. García-Villacorta, F.M. Guerra, M. Macedo, A.L. Val & V.M.F. de Almeida-Val. 2021. Drivers and impacts of changes in aquatic ecosystems.Chapter 20 In: C. Nobre & A. Encalada (eds.) Amazon Assessment Report 2021. Science Panel for the Amazon (SPA). United Nations Sustainable Development Solutions Network, New York, USA. Part II, pp. 305-343.  
[10] Branford, S. & M. Torres. 2019. Brazil to open indigenous reserves to mining without indigenous consent. Mongabay, 14 de março de 2019.
[11] Amato, F. 2020. Pedidos de pesquisa mineral em terra indígena são quase 3,5 mil, embora atividade seja proibida. G1, 20 de fevereiro de 2020.
[12] Siqueira-Gay, J., B. Soares-Filho, L.E. Sanchez, A. Oviedo & L.J. Sonter. 2020. Proposed legislation to mine Brazil’s indigenous lands will threaten Amazon forests and their valuable ecosystem services. One Earth 3 (3): 356–362.
[13] Angelo, M. 2021. Jair Bolsonaro pede a Arthur Lira prioridade na aprovação do PL que libera mineração em terras indígenas. Observatório da Mineração, 03 de fevereiro de 2021.
[14] Ferrante, L. & P.M. Fearnside. 2021. Reviravolta no Congresso Nacional ameaça Amazônia. Amazônia Real, 09 de março de 2021.
[15] Fearnside, P.M. 2016. Alumínio e Barragens: 4 – A “maldição dos recursos naturais”, Amazônia Real 25 de janeiro de 2016.
[16] World Commission on Environment and Development. 1987. Our Common Future. Oxford University Press, Oxford, Reino Unido.
[17] Fearnside, P.M. 2019. Sustainable development. In: David Gibson (ed.) Oxford Bibliographies in Ecology. Oxford University Press, New York, NY, U.S.A.
[18] Pinto, L.F. 2007. Na Amazônia, o desenvolvimento deixa um buraco. Gramsci, abril de 2007.
[19] Pontes, N. 2022. Decreto sobre mineração pode gerar catástrofe na Amazônia. Deutsche Welle (DW), 16 de fevereiro de 2022.
[20] Angelo, M. 2022. Na canetada, Bolsonaro cria programa para estimular o garimpo e altera o Código de Mineração. Observatório da Mineração, 14 de fevereiro de 2022.
[21] G1. 2022. Governo lança programa de ‘mineração artesanal’ na Amazônia; ONG vê ‘licença política’ para garimpo ilegal. G1, 14 de fevereiro de 2022.
[22] Pontes, N. 2021. “Governo está do lado dos bandidos em ataques aos yanomami”. Deutsche Welle (DW), 21 de maio de 2021.
[23] Oliveira, J. 2021. Bolsonaro inaugura ponte às margens de terra Yanomami e ignora crise que põe povo indígena na mira de garimpeiros. El País, 27 de maio de 2021.
[24] Maisonnave, F. 2021. Bolsonaro prepara visita a comunidade Yanomami, e líderes indígenas publicam carta de repúdio. Folha de São Paulo, 24 de maio de 2021.
[25] Gonzales, J.2020. Brazil sacks officials who curbed deforestation on Amazon indigenous lands. Mongabay, 05 de maio de 2020.
[26] Gonzales, J.2020. Brazil dismantles environmental laws via huge surge in executive acts: Study. Mongabay, 05 de agosto de 2020.
[27] Maisonnave, F. 2020. Ministério da Defesa barra fiscalização do Ibama contra garimpo ilegal no PA. Folha de São Paulo, 06 de agosto de 2020.
[28] Ferrante, L. & P.M. Fearnside. 2021. Brazilian government violates Indigenous rights: What could induce a change? Die Erde 152(3): 200-211.
[29] Ferrante, L. & P.M. Fearnside. 2019. O novo presidente do Brasil e “ruralistas” ameaçam o meio ambiente, povos tradicionais da Amazônia e o clima global. Amazônia Real, 30 de julho de 2019.
[30] Vale, M.M., E. Berenguer, M.A. de Menezes, E.B.V. de Castro, L.P. de Siqueira & R.C.Q. Portela2021. The COVID-19 pandemic as an opportunity to weaken environmental protection in Brazil. Biological Conservation 255: art. 108994,
[31] INA (Indigenistas Associados). 2019. Nota pública: Centralização e Discriminação na Autorização de Viagens Paralisam a Funai. INA, 02 de dezembro de 2019.
[32] Angelo, M. 2020. Mineração e garimpo ameaçam povos indígenas e territórios na Amazônia brasileira – ATL 2020. Observatório da Mineração, 30 de abril de 2020.
[33] Branford, S. 2020. The Amazon’s Yanomami utterly abandoned by Brazilian authorities: Report. Mongabay, 19 de novembro de 2020.
[34] ISA (Instituto Socioambiental). 2021. Bolsonaro promove a mineração predatória. ISA, 16 de dezembro de 2021.
[35] Tollefson, J. 2021. Illegal mining in the Amazon hits record high amid Indigenous protests. Nature 598: 15-16.

O post O “estímulo” de garimpagem pelo decreto de Bolsonaro apareceu primeiro em Amazônia Real.

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]