“Sangue nas mãos”: a carta de um pastor às igrejas que apoiam Bolsonaro

 

continua depois da propaganda