Outubro Rosa: Realidade Criminosa

Por Marcelo Abreu

Médicos avisam: a mamografia é o mais eficaz exame para detectar o câncer de mama, na fase inicial. Fiz muita matéria sobre isso. Só há um porém: na rede pública, o aparelho está sempre quebrado. Quase sempre. Rotina.

É sempre o mesmo enredo. A mulher descobre um caroço no seio. Corre pra uma consulta na rede pública. Mas, ao chegar, a consulta dela será, com sorte, em três ou quatro meses.

Aí, depois desse tempo todo, o primeiro contato com o médico (mastologista). Ela sente que o caroço já aumentou. Ele também percebe que a  coisa  não tá  boa. Ao  ser consultada, a indicação do médico é a mamografia. O aparelho está com defeito. Via crucis.

Ela, pobre, não pode pagar uma clínica particular para realizar o exame. Espera o tal aparelho ser consertado, depois aguarda a vez numa fila sempre quilométrica. E reza para que o tal aparelho, o único, não quebre de novo, enquanto espera na fila. Em um ano, o caroço, que era tão pequeno, tão mínimo, lá no começo, agora se espalhou pelo corpo todo. Metástase.

As mulheres neste país, especialmente as mais pobres, morrem de câncer de mama pelo descaso das autoridades, pelos desmandos, pela corrupção generalizada, pela roubalheira sem limites. E isso é histórico. Realidade de TODOS os governos. De A a Z. O resto é propagada bonita, que JAMAIS corresponderá à realidade. Essa é a única realidade. E é triste. É devastadora. É CRIMINOSA.

Marcelo Abreu  – Jornalista

Block

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, em qualquer dia. GRATIDÃO!

continua depois da propaganda
 
continua depois da propaganda