fbpx

Por ACQ

Fracassou redondamente a tentativa do Palácio do Planalto de desmoralizar nesta quinta-feira, 1º de julho, na CPI da Pandemia, o depoimento dos irmãos Miranda, prestado na sexta-feira da semana passada. Nele os Miranda implicaram o próprio presidente Bolsonaro na maracutaia da compra da vacina indiana Covaxin…

Aqui não importa se o principal pangaré de Troia introduzido no interior da CPI é o próprio depoente, o cabo bolsonarista da PM mineira, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, ou se o seu parceiro na Davati Medical Supply, Cristiano Alberto Carvalho, que lhe passou um áudio adulterado, mostrando o deputado Luiz Miranda em uma negociação de luvas cirúrgicas e não vacinas. Um dos dois pode estar a serviço de um bolsão do bolsonarismo. 

O que importa mesmo é que os senadores da CPI explodiram a versão adrede preparada de Dominguetti, obrigado a dizer no final do depoimento que foi induzido a erro por seu colega.

Houve logo quem comparasse o canhestro movimento dos bolsonaristas com a Operação Uruguai, a tentativa fabricada pelo ex-presidente Fernando Collor para justificar perante a CPI do Collorgate os seus gastos pessoais exorbitantes. A desculpa de Collor foi a de que ele havia contraído um empréstimo de US$ 3,75 milhões na república vizinha para a sua campanha eleitoral, que teriam sido convertidos em 318 quilos de ouro, adquiridos do doleiro uruguaio Najun Turner.

O mais relevante em todo o caso é que a CPI da Pandemia avançou hoje na constatação de que foi montado no Ministério da Saúde um vasto esquema de corrupção nos processos de aquisição, com recursos do SUS, de vacinas e insumos usados no combate à Covid-19.

O próprio ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, acusado por Dominguetti de propor a propina de um dólar por dose da vacina AstraZeneca, confirmou, em nota pública, que se reuniu com o lobista no restaurante Vasco, tendo sido levado até lá pelo tenente-coronel do Exército Marcelo Blanco, que havia trabalhado no ministério até o dia 19 de janeiro. Ele negou a parte do pedido da propina, mas isso deverá ser esclarecido pela CPI da Pandemia. 

O oferecimento de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca pela Davati Medical Supply foi obviamente um conto da carochinha ou do vigário, a começar pelo fato de que a empresa texana jamais teve a representação do fabricante da vacina anglo-sueca Oxford/AstraZeneca, e esse não tinha estoque suficiente para atender demanda tão grande.

O que a CPI deverá levantar agora é como se organizou a organização criminosa de que participava o diretor de Logística Roberto Ferreira Dias, ao que tudo indica ligado ao deputado e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros, o mesmíssimo parlamentar que está implicado na tentativa de golpe da Covaxin.

Por que razão o presidente Bolsonaro não demitiu Roberto Ferreira Dias quando o ministro Pazuello pediu que o fizesse já no ano passado? De quem partiram as pressões para que Bolsonaro o poupasse, além do senador Davi Alcolumbre, como reportou a rádio CBN e confirmou a Folha de S. Paulo?

Está mais do que evidente que o governo Bolsonaro é corrupto até o tampo, e que os seus esquemas de ladroagem são também responsáveis pela morte de meio milhão de brasileiros.

É preciso levar em conta, sem pruridos moralistas, que grande parte das provas da bagaceira foi revelada por ex-aliados do presidente Bolsonaro, como sempre acontece, aliás, quando um governo está se esboroando. 

Não importa se o deputado Luiz Miranda e o cabo Luiz Paulo Dominguetti são eles próprios bandidos. O que interessa são as evidências que esses ex-aliados do genocida estão expondo, e as gretas que eles vão abrindo no casco da canoa que está fazendo água.

Antônio Carlos Queiroz – ACQ – Jornalista da Resistência

Pego no pulo o pangaré de Troia


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?
ASSINE AQUI