fbpx

Riozinho, você é mineiro, uai!

Depois de criar a Terra e tudo que nela há, o Criador dedicou carinho especial para dar vida ao rio que, tal como criança nascida do ventre da mãe Terra, chorou.

Não se sabe ao certo a razão desse choro. Talvez, tivesse o riozinho recém-nascido premonição de sua triste sina. Ou ainda, com a insegurança própria dos que têm medo do desconhecido, o riozinho chorou. Um choro longo e demorado.

Por horas a fio o riozinho chorou. Era um chororô comprido, uma lengalenga sem fim. Por vezes chorava alto que parecia pororoca quebradeira em desabalada, depois o choro se aplacava e seu som era de água pura de riacho tímido, desses que se curvejam entre as serras.

O riozinho foi crescendo e já menino orgulhava o broto de sua fonte. Encorpou-se e permitiu novas vidas em suas águas cristalinas. Por ali, serpenteavam peixes de todas espécies e cores, uma dança de sutil leveza sacudia as ramagens… uma buliçosa vida aquática fazia festa em suas marolas. Vida boa, pacata e simples a do rio menino.

O moinho do tempo temblando e riozinho virou rio. Volumoso, água farta e generosa. Abundância. Imensidão. Em suas margens foram brotando plantas, bichos e homens.

No começo eram bons. Uma equilibrada e justa convivência estabelecida pelo rio, que de tão bom, passou a ser chamado de Rio Doce como as doces lembranças dos sabiás, cotovias e quero-queros beliscando o dorso do rio. Doce como o espelho do rio confundindo-se com o plácido azul do céu, o dourado do sol e as emanações do argentum lunar.

A cada dia um novo ambiente, uma nova contemplação. A vida do rio seguia rotineiramente, cumprindo seu destino de alcançar o mar. Este era outro medo do riozinho: enfrentar outras águas e mares e lugares. Por mais que se contorcesse, o rio não parava e o rio chorou de novo, com medo da imensidão do mar.

Para cumprir sua sentença e destino, um dia, desaguou no oceano. E chorou, chorou muito. Chorou alto. Suas lágrimas podiam se ver e ouvir de longe. Saltando do sal da água saíam salgadas também. Em seu auxilio a mãe natureza, força espetacular e amorosa, deu seu regaço e acalentou o riozinho. Ele viu que era bom.

Um mundo novo lhe acenava. E seguia seu curso de percorrer caminhos sinuosos, brincar de esconde-esconde com sereias e Iaras para depois abraçar o infinito com a coragem de quem rompeu barreiras e venceu desafios. Era doce seu desaguar, tocando em suas margens a melodia sonora de quem vai levando e trazendo emoções e esperanças.

Um dia houve, brotava aos borbulhões outro rio que o engolia. Rio de lama, de vergonha, de descaso, de tragédia. E dessa vez o rio chorou também, mas seu choro foi abafado e dolorido. O rio não chora mais. Agora, choramos nós.

Rio Doce, meu benzinho, espera que vai passar! Tem fé que você é mineiro, uai!

Riozinho, você é mineiro, uai!

fotos: br.blastingnews.com

Obs.: publicado originalmente em 15 de dez de 2015


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

ASSINE AQUI