Sementes crioulas, sementes da esperança

Novembro é mês de plantio, é tempo de plantar a esperança, de colocar as sementes na Terra, porque é a semente o primeiro elo da cadeira alimentar. Brasil afora, cada vez mais famílias de agricultores e agricultoras buscam trocar mudas e sementes nativas para aumentar a variedade de plantas em suas pequenas propriedades.

Essa prática cultural, herdada das gerações anteriores há pelo menos 10 mil anos, representa hoje uma ação de resistência contra a industrialização do campo, implantado na produção rural a partir da segunda metade do século XX, que se tornou responsável por uma redução drástica na biodiversidade do planeta e na base alimentar dos povos.

Foi-se o tempo em que a semente resumia o caminho da vida de cada espécie, do jeito que a natureza a criou. Hoje, as alterações genéticas em laboratórios fazem as mudanças que a natureza demorava anos, às vezes séculos para produzir. As sementes crioulas são o que restou do tipo antigo de sementes, portanto tem um repertório de seleção natural de milhares de anos.

Existem mais de 10 mil espécies no mundo. A agricultura antiga produzia com base em mais de 500. A agricultura industrial reduziu a base de nossa alimentação para apenas nove espécies. O trigo, o arroz, o milho e a soja representam hoje 85% do consumo de grãos no mundo.

semente-xapuriBoa parte das espécies usadas em nossa alimentação, como o milho, a batata, a mandioca, o feijão, o tomate, a pimenta, o cacau, é nativa das Américas. Essas plantas foram domesticadas por nossos povos indígenas. Outras, como o trigo e o arroz, vieram de outros continentes, e foram conservadas e melhoradas por trabalhadoras e trabalhadores rurais brasileiros ao longo de centenas de anos.

Essas são as sementes crioulas, também chamadas de sementes da esperança. Ao cultivá-las, as famílias de agricultores/as preservam um patrimônio da humanidade, legado por nossos antepassados.

Matéria produzida por Zezé Weiss, com a colaboração de Socorro Alves, trabalhadora rural assentada pela Reforma Agrária no Projeto de Assentamento Brejão, no Vale do Paranã, em Formosa, Goiás, para a revista Xapuri.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

ASSINE AQUI

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
[instagram-feed] [instagram-feed]