Paulo Aritana Sompré, o Aru Sompré, jovem líder indígena da Nação Xerente, atacante do primeiro time indígena do futebol brasileiro, encantou-se  na madrugada desta sexta-feira, 30 de março, vítima de um acidente de carro, na Rodovia BR-222, entre os Bairros São Félix e Morada Nova, perto do Residencial Tiradentes, .em Marabá, no no Sudeste do estado o Pará.
Segundo relatos da família, o carro de Aru, um Chevrolet Celta,  se chocou com um caminhão, quando o líder indígena regressava da casa de sua mãe, no Bairro do Amapá,  para sua aldeia Kyikatejê, no município de Bom Jesus do Tocantins, distante cerca de 450 quilômetros da capital Belém, onde acontecem os jogos indígenas. Aos 31 anos, além de líder comunitário, Aru era também um dos líderes do  Gavião Kyikatejê (fundado em 2009), o time de sua aldeia,
 Primeiro time indígena brasileiro a disputar a elite de um estadual brasileiro, a estréia do Kyikatejê ocorreu no dia 12 de janeiro de 2014, contra o Paysandu, na Curuzu, pelo Campeonato Paraense. Naquele dia, o Paysandu ganhou o jogo de 2×1,  mas o atacante Aru, com o corpo pintado seguindo as tradições de seu povo, de preto (da guerra) e vermelho (da força de vontade),  marcou o gol histórico do Gavião Kyikatejê. Aru também jogou em times como o Águia de Marabá, o Ananindeua e  times do interior do Estado de São Paulo.
 
NOTA DE PESAR DA NAÇÃO XERENTE 

 É com profundo pesar que a Nação Indígena Xerente recebe a nota de falecimento do lider Indígena Xerente, Paulo Aritana Sompré. (Arú Sompré), ocorrido na madrugada de sexta (30) em Marabá/PA.

Arú Sompré, descedente do povo Xerente, era morador da aldeia Gavião Krikatejê, município de Bom Jesus, região de Marabá/PA.
A perda do lider Arú representa uma dor imensa a seus familiares, aos grupos indigenas do Brasil em especial aos Xerente. Arú contribuiu muito com profissionalismo, representando muito bem a força e habilidade indígena no esporte e na cultura.

Quando a tragedia nos atinge tão de perto e finda a missão de um líder, é hora de reforçamos as nossas crenças e valores, nossa fé e união. Continuamos juntos nas alegrias, nas tristezas e nas dores.

À familia enlutada apresentamos a nossa solidariedade e respeito, pela imensa dor e tristeza, que com certeza, invade a alma e dilacera qualquer entendimento de logica.

NOTA DE PESAR DA COIAB

É com profunda tristeza que a COIAB vem comunicar a passagem de nossa liderança Aru Sompré, da aldeia Gavião Kyikatejê, do Pará, um jovem guerreiro, atleta profissional indígena que fez muitos jovens acreditarem no sonho neste meio., muito contribuiu com o esporte tradicional do povo Kyikatejê.

Esse ano 2018 tem nos reservado Esse ano 2018 tem nos reservado muitas perdas, o que os enche de dor e amargura, mas também de resistência. Sabemos que nossas lideranças deixam um legado muito importante para todos nós que acreditamos em um mundo melhor com respeito à diversidade dos povos.

A COIAB deixa aqui aqui seus mais sinceros sentimentos para toda a família Sompré, que possamos suportar juntos esse momento triste de nossa passagem aqui nesse plano e lembrando sempre que Aru Sompré celebrou a vida como um verdadeiro guerreiro que sempre  foi.

Nossos ancestrais se fortalecem com mais um guerreiro que encantou. A Amazônia sente dor pela perda de mais um jovem líder do movimento indígena.

Saudações indígenas,

Família COIAB

 

 

 

 

ANOTE AÍ:

Fotos: Acervo Aru Sompré

 

 

 

Anúncios

2 Responses

  1. Consuelo Sompré

    Paulo Aritana Sompré, nosso Arú como chamávamos e como foi conhecido. Pra sempre será boas lembranças amamos e vamos amar suas lembranças pra sempre. A família Sompré fica imensamente agradecida pela publicação.

    De sua irmã Consuelo Sompré.

    Vi a tempos essa publicação, mas só agora estamos tendo força pra expressar algumas palavras.

    Arú está na morada de Deus.

    Responder

Comentários

X
preloader