Bolsonaro poderá renunciar

Inominável poderá renunciar

Bolsonaro poderá renunciar

O discurso golpista do presidente Jair Bolsonaro vem de longe. Antecede o próprio mandato. Ele é viúvo da ditadura militar. À medida que as eleições aproximam-se, diante da perspectiva de uma derrota que pode se configurar ainda no primeiro turno, ele enlouquece e, com ele, o círculo dos generais prepotentes que foram se alinhando a sua postura antidemocrática: Augusto Heleno (ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional), Braga Neto (candidato à vice) e Paulo Sérgio Nogueira (ministro da Defesa).

Por Márcio Santilli/via Mídia Ninja

Jair Bolsonaro e seus ‘braços direitos’ oriundos das Forças Armadas: (D-E) Braga Neto (ex-ministro da Defesa e candidato a vice-presidente), Augusto Heleno (ministro do Gabinete de Segurança Institucional) e Luiz Eduardo Ramos (ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República). Foto: Alan Santos / PR

O mote golpista tem sido o questionamento do sistema eleitoral e, em particular, da urna eletrônica. Embora não tenha ocorrido nenhuma denúncia de fraude eleitoral em 18 anos de uso dessa tecnologia, Bolsonaro contesta a lisura do sistema e reivindica o retrocesso ao voto impresso que, historicamente, sempre deixou espaço à fraude. Pois os generais, supostamente racionais, aderiram ao negacionismo eleitoral e ao golpismo presidencial.

Bolsonaro nunca teve compromisso com a verdade. Tudo indica que jamais terá. Mas, para os generais, pega muito mal a postura de se fingirem loucos. Mesmo assim, deram corda para a insanidade do chefe, passando recibo de carrascos da liberdade popular e de oportunistas de plantão.

Meia-volta, volver!
Heleno anda em silêncio. É provável que tenha consciência das mentiras do chefe, mas o seu espírito autoritário o leva a preferir o convívio com o negacionismo a uma eventual conversão democrática tardia. Não se sente ridículo como ministro da informação de um governo da desinformação, mas prefere sentar na cagada feita e seguir apoiando a maluquice presidencial.

Braga Neto deixou o Ministério da Defesa para assumir a candidatura a vice, lançando-se direto na política. Flertando com o golpismo, pode se imaginar como vice-ditador. Mas parece tentar absorver a popularidade minguante de Bolsonaro para levar adiante o projeto de poder do seu grupo militar. Também anda quieto nesses dias e deve ter percebido que Bolsonaro blefou e dançou.

Jair Bolsonaro em cerimônia militar. Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

Paulo Sérgio ficou na pior. Vinha pondo as manguinhas de fora, ameaçando a democracia, querendo impor ao TSE uma enxurrada de propostas retardadas para piorar o sistema eleitoral, como a absurda ideia de fazer, paralelamente às urnas eletrônicas, outra votação em cédulas de papel. Na semana passada, como hóspede de uma reunião de chefes militares das Américas, teve que enfiar a viola no saco e declarar respeito ao regime democrático, princípio básico da Carta das Américas, da qual os países do continente são signatários.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Manifestos contra o golpe
O negacionismo eleitoral levou Bolsonaro ao isolamento extremo após a desastrosa convocação dos embaixadores para contestar a urna eletrônica. Ficaram mal os que andaram flertando com ele, como Paulo Sérgio, forçado a fazer um recuo estratégico. Até o PL, partido do Bolsonaro, procurou o presidente do TSE, Edson Fachin, para expressar a sua confiança na urna eletrônica e no sistema eleitoral.

O que o governo menos esperava foi a erupção de duas iniciativas políticas, dos meios jurídico e empresarial, que convergiram para o lançamento, em 11 de agosto, de dois manifestos em defesa da democracia que já reuniram centenas de milhares de adesões. Embora Bolsonaro ainda persista na intenção de usar as paradas militares de 7 de setembro para escalar um golpe, seus generais já têm uma amostragem do que pode ser o day after de uma eventual quartelada.

Bolsonaro ironizou a adesão ao manifesto dos maiores banqueiros do país, vinculando-a a supostas perdas do setor com o crescimento do PIX. Mas não há como negar que o documento não emana das forças políticas de oposição, mas simboliza o descolamento formal do PIB em relação ao golpismo presidencial.

 

Emparedado
A enxurrada de manifestações em defesa da democracia e das eleições pôs em xeque a opção golpista e confrontou Bolsonaro com o favoritismo de Lula, que se mantém, há 60 dias das eleições, a despeito do uso abusivo da máquina e do orçamento públicos por Bolsonaro.

O pior nas pesquisas eleitorais para Bolsonaro nem é a vantagem de Lula, que pode chegar a 20 milhões de votos, mas a sua própria rejeição por 60% dos eleitores. Mais de 70% deles indicam nomes nas sondagens espontâneas e se dizem decididos. Bolsonaro seguirá, de motociata em motociata, como gado em picadeiro?

O golpe tornou-se impossível e a reversão do cenário de derrota é improvável. A hora da verdade se aproxima para Bolsonaro. Seus aliados no Congresso discutem medidas que possam garantir a sua impunidade, como a absurda proposta de transformar ex-presidentes em senadores vitalícios.

 

É difícil acreditar que, com o seu habitual espírito beligerante, Bolsonaro se exponha à porrada de uma fragorosa derrota eleitoral. Desde que se instituiu a reeleição, todos se reelegeram antes dele. Uma derrota em primeiro turno seria uma pá de cal sobre quaisquer pretensões futuras. O 7 de setembro será a sua última cartada e, então, ele estará à cata de mais pretextos para tumultuar a campanha eleitoral.

Não deve ser descartada a hipótese de Bolsonaro vir a renunciar à candidatura semanas antes do pleito, apelando aos seus seguidores pela abstenção ou anulação dos votos, na tentativa de deslegitimar as eleições e alegar que o vencedor representa a minoria dos eleitores. A essa altura, pode ser essa a sua opção menos pior.

https://www.xapuri.info/comeca-a-campanha-eleitoral-nos-municipios-hora-de-renovacao/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!