fbpx

Voa, Jaiminho!

A Xapuri perde seu editor, nós… um amigo,  o mundo… uma enciclopédia, uma biblioteca!

 Por Iêda-Vilas Bôas

Já devíamos ter nos acostumado com partidas, tem sido fato corriqueiro nestes tempos pandêmicos. Poderíamos já ter aprendido que a morte é item primordial para a evolução dos seres. Que a vida é um nasce-morre-renasce infinito.

Poderíamos… deveríamos… mas como dói saber que o Jaime Sautchuk, o Jaiminho dos mais chegados, agarrou-se num rabo de cometa e voou, numa quarta-feira besta, 14 de julho, logo depois do almoço, em Brasília, vítima de uma parada cardíaca. Ele já andava com a saúde debilitada, não aguentou.

Era de uma educação, de uma calma, um sorriso sempre pronto para furtivamente escapar-lhe dos lábios, ainda que em situações tensas. Sempre que o via ou conversava com ele, tinha a nítida sensação de ternura que de meu pai emanava.

Um ser humano ímpar, de grandeza, sabedoria e conhecimentos imensuráveis e alma simples. À primeira vista, com seu chapeuzinho de lona clara e cabelos argênteos esvoaçantes brincando com a brisa, tinha-se a certeza de que era mesmo um cerratense, um caboclo aprumado, do centro de nosso Brasil, pronto para a missa domingueira ou o inconveniente passeio ao médico. Não fosse ninguém botar reparo na pele alvíssima já meio escurecida pelo sol avassalador do Centro Oeste brasileiro.

Encontrei-o de vez primeira numa reunião sobre o meio ambiente. E

quando vi aquele ser humano que irradiava luz e sabedoria, imediatamente fiz a ligação: É o idealizador do FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeos Ambientais, realizado na Cidade de Goiás – Goiás. Sempre fui. Amo a cidade e assisti a shows fenomenais no Teatro São Joaquim ou na Praça do Coreto.

 Era ele, e estava numa sala de uma casa antiga, discutindo com poucos formosenses sobre uma futura construção de uma fábrica de cimento e as “ré-beldes” árvores da Praça da Matriz.

Anúncios

Depois desse deslumbre, a hermana Zezé Weiss me coloca de carona e fomos papeando sobre a visita que faríamos ao mais ilustre cidadão de Cristalina – Goiás. Uma descida de morro e encontro a fazenda mais linda que já vi: a RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) Linda Serra dos Topázios.

A casa feita em madeira, adornada por um colar imenso de cristais. Quando o dia amanhece, e o sol bate nas pedras, forma-se uma soleira de arco- íris, um radiante espetáculo. E livros, muitos, espalhados em inúmeras estantes. Sobre qualquer assunto, ele dizia: “Espera um pouquinho”. Corria o olhar vagueando e, certeiramente, como içado por flecha, trazia uma preciosidade sobre o tema. E indicava inúmeras leituras, entretanto adiantava: “Não empresto, já perdi muitos livros raros. Os que podem ser doados, eu doo. Anota aí os dados”.

E a vida me oportunizou trabalhar na Revista Xapuri, tendo o Jaime Sautchuk como Editor-Chefe, fazendo forte parceria com a Zezé Weiss. Foram bons pares de anos. Dava gosto pegar a edição mais nova e ler a matéria de capa, geralmente assinada por ele. Era mais uma aula em que se entrelaçavam teoria e a prática de quem realmente viveu o que escrevia. 

Ele que gostava da astronomia agora virou pó de estrelas. Ficam nossa gratidão e saudade.

Voa, Jaiminho!

Anúncios

Iêda-Vilas Bôas


Salve! Taí a Revista Xapuri, edição 82, em homenagem ao Jaime Sautchuk, prontinha pra você! Gostando, por favor curta, comente, compartilhe. Boa leitura !

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia.GRATIDÃO!

loja Xapuri camisetas

 

E-Book Por Um Mundo Sem Veneno

COMPRE AQUI

Anúncios