Kiñana Ikinai: O ritual Yawanawa da resolução de conflitos

Kiñana Ikinai: O ritual Yawanawa da resolução de conflitos

“Kiñana Ikinai, é um espaço aberto no meio do círculo de Mariri para a resolução de conflitos, tendo a comunidade como testemunha.

Durante a roda de Mariri, os Yawanawa aproveitam para passar a limpo os sentimentos negativos acumulados. São conflitos secundários, que vão se acumulando durante o ano. Por exemplo: quando dois jovens estão apaixonados pela mesma amada.

Os cantos de Mariri incentivam os participantes a entrarem no círculo. Na medida em que o círculo vai se formando, é preciso ter coragem e disciplina para entrar nele. Os cantos de Mariri incentivam os participantes a entrarem no círculo. 

À medida que o círculo vai se formando, é preciso ter coragem e disciplina para expressar seus sentimentos. A cada batida, pulsa o coração, levanta a moral e a autoestima do participante. Não existe ganhador e nem perdedor. É uma demonstração da resistência humana, na qual a dor não tem efeito quando o coração é forte e valente.

A cada batida, pulsa o coração, levanta a moral e a autoestima do participante.  Não existe ganhador e nem perdedor. Por uma semana cantamos, dançamos e deixamos nosso manifesto cultural e spiritual aos nossos ancestrais

Depois que terminar, todos estarão reafirmados ainda mais em sua amizade e irmandade do povo indígena Yawanawa para marcar seu manifesto cultural e seu respeito aos seus ancestrais.”

Mariri é a festa anual do povo Yawanawa para honrar seus ancestrais e celebrar sua milenar capacidade de resistência. Ou, como explica o líder e pensador indígena Tashka Pehaho Yawanawa, autor dos textos em itálico nesta matéria: “Mariri Yawanawa, o encontro de forças de cada um em todos, e de todos em um, num só pensamento e força.

Em 2016, o Festival Mariri foi realizado na Aldeia Mutum, composta por nove grupos Yawanawa moradores da região, às margens do rio Gregório,  no município de Tarauacá, sob a coordenação da Associação Sociocultural Yawanawa – ASCY. Durante as cerimônias, faz-se uma imersão na cultura e nas tradições Yawanawa em busca da paz e do autoconhecimento. Nos dia da festa, serve-se o Uni ((Ayahuasca) e o rapé como instrumentos de expansão da consciência.

Como nos anos anteriores,  o encontro não somente resgatou tradições, mas também fortaleceu os laços da comunidade com a natureza.  As principais atividades foram realizada debaixo de uma sumaúma (grande árvore da floresta). “Esse é um festival que resgata as nossas tradições e também busca, na sua totalidade, evidenciar da natureza, com lições de vida em harmonia, preservando os nossos recursos naturais,”  ressalta o líder Tashka Yawanawa depois do sucesso do Mariri Yawanawa de julho de 2016.

YAWANAWA: O POVO DA QUEIXADA

“Nós somos como queixadas: todos juntos.”

O povo Yawanawa é composto por cerca de 700 pessoas. Pertencem à família linguística Pano e se autodenominam “o povo da queixada”.  Habita a Terra Indígena Rio Gregório.Tem por símbolo a queixada (yawa).

Tem três aldeias principais:  Mutum, Nova Esperança e Escondido. Desde de 1992, a Nova  Esperança se constitui na principal aldeia yawanawá, em virtude do abandono do Seringal Kaxinawá, ocupado durante o Ciclo da Borracha.

O povo yawanawá conseguiu demarcar as suas terras no início da década de 1980, tornando-se o primeiro povo indígena a conseguir a titulação de suas terras no estado do Acre.

A Terra Indígena do Rio Gregório é devidamente registrada em cartório, com uma extensão de 92.859 hectares:

Fontes: Agência de Notícias do Acre: agencia.ac.gov.br;  Instituto Socioambiental: pib.socioambiental.org.

Fotos: Sérgio Vale – Agência de Notícias do Acre. Mapa: Agência de Notícias do Acre.

Obs.: publicado originalmente em: 6 de ago de 2016 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/categoria-produto/revista/”]ASSINE AQUI[/button]