A POESIA E A PROSA

Há que se destrinchar a fina linha de arremate da tecelagem dos conceitos de verso e prosa quando o objetivo do estudo é definir os elementos que integram estas modalidades textuais. O ilustre poeta, escritor e compositor de grandes sucessos musicais formosense Antonio Victor, traz significativa definição para a poesia e a prosa. Apresenta-nos , em prosa poética, belíssima reflexão acerca dessas duas interessantes figuras (estilos literários). Para quem gosta do tema perceberá uma intertextualidade entre Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, todos em diálogo com o nosso poeta Antonio Victor

A poesia é uma mulher exótica e independente. Estrada íngreme e estreita, feito porta de céu. Já vi muita gente caminhar léguas e léguas, pensando que estava nela…  Não estava. Porque ela é ingrata… Finge ser sem estar sendo. E, às vezes, o é. Porém disfarça. Poeta fulano de tal dizia ser casado com ela. Morreu iludido. Creio mesmo que ela jamais o enxergou. Dissimulada e oblíqua, às vezes violenta, nos dá de machadadas.

Mas atraente. Convidativa e sedutora, debocha dos seus possíveis clientes, exige-lhes, no mais das vezes, muito mais suor do que inspiração, e, ao final da noite, dorme com quem deseja.

Não. Nunca dormiu comigo. Conheço-lhe o cheiro, os passos, a presença, por sutil que seja. Conheço-lhe as intenções mais doces e a mais dolorosa frieza; identifico-lhe mesmo o vulto ou sua forma densa ou diáfana. Mas nunca dormi com ela.

Carlos me disse um dia onde ela mora. Imaginando que tudo valesse a pena, agigantei minh’alma, andei por mares nunca dantes navegados e caminhei por muitos anos rumo aos seus braços. Durante o trajeto, removi muitas pedras que havia no meio do caminho.

Cheguei um dia, finalmente, e, ofegante, bati à sua porta. Ô de casa; gritei. Ô de fora, respondeu-me. Posso entrar? Perguntei. Estou à tua espera, me disse amável. Abre a porta, então; foi o que eu disse. Silêncio. Trouxeste a chave? Retrucou de dentro. Silêncio maior.

E, ajoelhado à soleira da porta, com o coração nas duas mãos trêmulas, fiquei por algum tempo imaginando-a lá dentro, deitada e nua no seu divã de veludo escarlate, perfumada e úmida, com tantas palavras preparadas, quem o saberia, só para mim.

Chorei o pranto amargo dos preteridos, e segui o meu caminho. Jamais sentirei em mim o borbulhar do gênio; tampouco entenderei estrelas. E essa eterna mágoa, carregarei comigo.

Muito tempo passou. E ela me visitava, muitas vezes, em sonhos. Ora disfarçada de Vênus ou então de Nossa Senhora. Outra vez era Esfinge, então eu acordava, sobressaltado, no exato momento em que me ultimava: Decifra-me. Ou te devoro.

continua depois da propaganda

Sei que não a terei, nunca. Sofro por isso. Mas numa noite dessas, sofri escandalosamente e vi meu coração querendo me rasgar o peito. De supetão, topei com ela quando nem a  estava procurando. Não. Não estava sozinha. Estonteantemente bela, feliz e eufórica, aos beijos com Vinícius. Parece-me que ele estava bêbado. Mas não era a primeira vez. Ela sempre o embriaga e ele, incorrigível, é dado a homéricos porres.

Que mistérios possui essa dama e que espécie de amante é Vinícius? Ele, um louco; ela, uma prostituta. Ele, um santo; ela, uma divindade.

E, ao vê-los desaparecerem na extrema curva do caminho extremo, ainda uma vez segui também o meu caminho, agora de maneira irreversível, rumo à insípida prosa da minha vida primitiva e cada vez mais árida.

Antonio Victor – É importante figura cultural da cidade de Formosa. Escritor, poeta, compositor de inúmeras músicas que foram interpretadas por famosos cantores do Brasil.  Está com disco novíssimo na praça: Antonio Victor volume 01. Também é professor na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Fez letras pela UnB e foi aluno destaque  Colégio Estadual Hugo Lôbo. Levou seus escritos para o México, onde foi aclamado. Vive e mora em Formosa. Via ALANEG – Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano/RIDE

Slide

QUANTO MAIS CONHECIMENTO, MAIS JUSTO O MUNDO

CONTRIBUA COM NOSSO PROJETO
PIX: contato@xapuri.info

continua depois da propaganda
continua depois da propaganda