A vida é uma jornada / Life is a journey (*)
Poema do Rabino Alvin I. Fine (1916-1999)

O nascimento é um começo
e a morte , um destino.
Mas a vida é uma jornada.
Da infância à maturidade
E da juventude à velhice;

Da inocência para a consciência
E da ignorância para o conhecimento;
Da insensatez para a discrição
E então, talvez, para a sabedoria;
Da fraqueza para a força
Ou da força para a fraqueza –
Repetidas vezes
Da saúde para a doença
E doentes, rezamos pela volta da saúde.

Da ofensa ao perdão,
Da solidão ao amor,
Da alegria à gratidão,
Da dor para a compaixão,
E da aflição para a compreensão –
Do medo para a fé;
Da derrota para a vitória
Até que, olhando para trás ou para frente,
Vemos que a vitória reside,
Não em algum lugar alto no meio do caminho
Mas em ter empreendido a jornada, etapa por etapa,
Uma peregrinação sagrada.

O nascimento é um começo
E a morte, um destino.
Mas a vida é uma jornada,
Uma peregrinação sagrada
Para uma vida eterna.

( versão adaptada do original em inglês – Fonte: Comunidade Shalom. Sidur para receber o Shabat. São Paulo. 2002. p 127)

ANOTE:

Rabbi Alvin Fine, one of the Bay Area’s best known and most highly regarded clergymen, died January 19 of congestive heart failure at a hospital in Napa. He was 82.

Rabbi Fine led San Francisco’s reform Temple Emanu-El for 16 years during the post-World War II era.

A humanitarian and ardent advocate for civil rights, Rabbi Fine was also a charter member of the city’s Human Rights Commission.

“Social justice was his passion,” his daughter-in-law, Michelle Ackerman, said last night.

As senior rabbi at San Francisco’s largest Reform temple from 1948 to 1964, he was a lifelong champion of racial justice, bringing, among others, the Rev. Martin Luther King Jr. and Maya Angelou to speak to the congregation in the early days of the civil rights movement.

Fonte: www.sfgate.com

Este poema foi postado por Rubens Harry Born em sua página no Facebook para comunicar o passamento de sua mãe, dona Ilse, no último dia 12 de junho, aos 90 anos de idade.

 

Comentários