Uma incrível filosofia de sobre amor e ódio nas páginas do Grande Sertão Veredas

Dispensa-se apresentações, não é? Grande Sertão, Guimarães Rosa, Riobaldo, Diadorim…

O bom é que estava relendo alguns trechos destacados nessas páginas de veredas e notei que Guimarães Rosa tece uma filosofia incrível sobre amor e ódio. Melhor ainda: o amor é sempre maior e mais forte nessa dualidade – mesmo entre as guerras dos bandos, mesmo entre acordos sociais de jagunços.

Claro que essa é só uma pequeníssima parte de toda a filosofia exposta no romance-mor, mas é sempre bom enxergar os pormenores, esse é um caminho para sentir a poesia, um caminho pro descanso na loucura.

1. Tudo está dentro de nós.

“O mal ou o bem, estão é em quem faz; não é no efeito que dão.”

“A gente tem de necessitar de aumentar a cabeça para o total.”

2. O pensamento, a ideia, ajuda a nossa vontade. Mas o que é maior que o miúdo? Muita coisa importante falta nome.

“Diz-que-direi ao senhor o que nem tanto é sabido: sempre que se começa a ter amor a alguém, no ramerrão, o amor pega e cresce é porque, de certo jeito, a gente quer que isso seja, e vai, na ideia, querendo e ajudando; mas, quando é destino dado, maior que o miúdo, a gente ama inteiriço fatal, carecendo de querer, e é um só facear com as surpresas.”

3. A contradição que nos habita.

“Não sabe que quem é mesmo inteirado valente, no coração, esse também não pode deixar de ser bom?!”

4. Raiva pra quê? Bom é o amor.

“Mas, na ocasião, me lembrei dum conselho que Zé Bebelo um dia me tinha dado. Que era: que a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve de tolerar de ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a ideia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é.”

5. Será a luta entre razão e emoção?

“Ah, meu senhor! – como se o obedecer do amor não fosse sempre ao contrário…”

6. Me dá qualquer amor que eu preciso descansar.

“Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura. Deus é que me sabe.”

7. Do que não deve-de.

“Demediu minha ideia: o ódio – é a gente se lembrar do que não deve-de; amor é a gente querendo achar o que é da gente.”

8. Tem que ser valente pra dar a mão.

“Homem com homem, de mãos dadas, só se a valentia deles for enorme. Aparecia que nós dois já estávamos cavalhando lado a lado, par a par, a vai-a-vida inteira. Que: coragem – é o que o coração bate; se não, bate falso.”

Precisamos mesmo de coragem pra seguir o coração. Lembrando que aqui é Riobaldo falando do seu amor crescente por Diadorim, uma mulher que ele acreditava ser homem.

No fim, amemos. Amém.

Fonte: obvious

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: