Tremeliques De Jambú

Por: Maria Maia

tremeliques de jambú

Manaus, Rio Branco, Belém

cidades q me convêm:

vou-me embora

vou-me embora

Macunaíma me espera

e a paixão me devora

 

ah! Ver-o-Peso em Belém

maniçoba muçuã

tacacá cupuaçu

patichouli abacaba

tambaqui pirarucu

açaí e graviola

-tapioca e não granola:

flor esta te quero bem

 

quero te ver de manhã

comer tapioca e cuscuz

fazer teu o meu bem bom

e escutar um bom blues

 

vamos comer mariola

quero te ver de batom

quero te ver logo agora

enquanto o céu tá azul

 

arde a noite e a madrugada

quase não penso em nada

já escuto a passarada

abrindo uma linda manhã

 

embora um pouco tristonha

com emoção tamanha

fumo tabaco orgânico

e dou uns tapas na maconha:

vejo a vida em cor de rosa

faço poesia e não prosa

 

eu sem vc serei nada?

sem ti talvez eu já fosse:

mas como seria?

 

Sereia Iara aquosa e porosa

fazendo prosa e não poesia

 

ser da água noite e dia

nado nadesço no rio

ser forte do Norte

sedenta de melhor sorte

de mais alegria

 

arde a flor da vida em tom

suave a cor da vida então:

danço no meio-dia

seis da tarde e de manhã

lambada bailo danada

 

me embaraço nos teus braços

carimbó rodo em afã

de sentir teu corpo lasso

 

te roubo um abraço

um beijo

nossos corpos como arpejos:

unidos em forte laço

 

suor com suor em festejo

te envolvo no meu desejo:

nos meus sonhos te enlaço

Sobre a Autora

Block

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, em qualquer dia. GRATIDÃO!