Poemas de Wilson Rocha

Por  Alma Acreana

MEMORABILIA

Os deuses antigos, os deuses da floresta,

davam a tudo um sentido e a todo ser um destino.

A alma criadora dos deuses estimava

as fontes que as donzelas acolhiam

e os seus longos cabelos derramados

ao regozijo do vento oferecia.

Mas as dádivas dos deuses são precárias.

A primeira imagem da vida no tempo

ao negro sol da morte está unida, tal como

o ter a água uma essência musical

e terem as pedras a forma do silêncio.

 

VOLUPTATIBUS PERFLUENS

A mão tenho metido no teu seio – Camões

Rapariga das colinas, amada entre as cabras

que a longa memória dos deuses não esquece.

Os frutos cantantes, os cabelos e os seios

e seus abismos brandos florescendo.

Com o sol dos dias longos e os pássaros

dava-se o seu ser como uma fonte.

Primavera de vinho e de loucura

era a respiração e o calor de sua nudez,

como o virtuoso Catulo celebrava.

E a nuvem do púbis tinha a cor da rosa-chá,

ó rapariga das cabras, papoula de fogo.

Seus murmúrios de prazer compunham eternidades

(e a nossa fortuna durou um breve tempo)

que a longa memória dos deuses não esquece.

 

CANÇÃO DO EXÍLIO

a Silvia de Leon Chalréo

Um sabiá cantando

em meu coração.

Mar azul, sol amarelo,

luar, tristeza, violão.

E a Bahia tão longe,

negra minha, meu amor.

Dorme, dorme, meu país,

palmeiras, saudades, calor. p.93

O TEMPO NO CAMINHO

Os homens caminhavam mansamente,

pisando a sombra das flores.

Depois, pisaram as flores e os frutos.

Vieram vindo, vieram pisando.

Pisaram terra, povo, coração, rosa.

Pisaram a criança e a mãe.

Pisaram a moça e o que era dela,

o vestido claro, a cabeleira escura.

Pisaram os irmãos, o coração, a rosa.

WILSON ROCHA 

Wilson Rocha nasceu em Cochabamba, Bolívia, em 1921, e faleceu em Salvador-BA, em 2005. Era irmão do também poeta Carlos Eduardo da Rocha, acreano de Brasiléia. Fundou, com outros, a revista Caderno da Bahia, que renovou no após-guerra o panorama das artes e das letras na Bahia. Dedicou-se à crítica de arte desde 1949 e foi membro da Association Internationale des Critiques d’Art, de Paris, e da Associação Brasileira de Críticos de Arte, do Rio de Janeiro. Tradutor de poetas ingleses, norte-americanos, franceses, italianos e espanhóis. Colaborou em numerosas publicações literárias do Brasil, Portugal, Suíça, Espanha e outros países, e nos jornais Diário Ilustrado, de Lisboa, O Estado de S. PauloDiário de São PauloCorreio Paulistano e outros. Esteve vinculado ao Clube de Poesia do Brasil e à Revista Brasileira de Poesia e colaborou nas revistas de poesia Távola Redonda e Cadernos do Meio-Dia, de Portugal, Cuadernillos de Poesía, da Argentina, e Papel de Poesía, do Uruguai. Figura nas antologias Poesía brasileña contemporánea, de Gastón Figueira, Montividéu, 1947; Poemas de amor de poetas brasileiros contemporâneos, de Pedro Moacir Maia, Bahia, 1950; Antologia da poesia brasileira moderna, de Carlos Burlamaqui Kopke, São Paulo, 1953; Antologia poética da geração de 45, de Milton de Godói Campos, São Paulo, 1966, e A nova poesia brasileira, de Alberto da Costa e Silva, 1960. Publicou Poemas, Bahia, 1946, Edições Elo; O tempo no caminho, Bahia, 1950 (ilustrado com 10 desenhos do pintor Aldo Bonadei); Livro de canções, Bahia, 1960, na antologia 20 anos da coleção Círculo da Poesia, de Pedro Tamen, Lisboa, 1977; De tempo soluto, Lisboa, 1963, Livraria Morais Editora, col. Círculo de Poesia, vol. 23, com um retrato do autor reproduzido de uma tela de Pancetti; Carmina Convivalia, Recife, 1980, Edições Pirata (ilustrado com seis desenhos do pintor Ismael Caldas); A forma do silêncio: poesia reunida, Rio de Janeiro, 1986, José Olympio Editora, etc. Hernani Cidade em seu livro O conceito de poesia como expressão de cultura (p.318, 2. ed., Coimbra 1957, Armênio Amador Editor) menciona suas “brevíssimas estruturas rítmicas e estróficas” referindo a faculdade sinóptica de sua poesia. Segundo Murilo Mendes “seus poemas são muito significativos, um verdadeiro oásis neste mundo de máquinas e gigantismo industrial”. “Um poeta autêntico”, afirma Roger Bastide no suplemento literário de O Estado de S. Paulo (13-11-1951).

Clique no link para baixar o PDF: 

ACHILLE MBEMBE: CRÍTICA DA RAZÃO NEGRA

Leitura complementar:

VERSO, POESIA E ESTÉTICA – Wilson Rocha

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Anúncios

Comentários