Poesia marginal

Flávia Neves

 

Poesia Marginal foi uma nova concepção artística que surgiu na década de setenta, durante um período de forte repressão e censura imposta pela ditadura militar. Esse período cultural, também chamado de Geração Mimeógrafo, foi marcado pelo inconformismo com a considerada “cultura oficial”, alterando o comportamento do poeta face à sociedade.

O poeta passou a ser totalmente responsável pela criação, reprodução e divulgação da sua poesia. Fora dos meios habituais de edição e divulgação das obras, usavam os seus próprios meios para reproduzir e divulgar os seus poemas. Utilizavam mimeógrafos para copiar seus textos e realizar pequenas tiragens que eram comercializadas a baixo custo, de mão em mão.

Principais características da Poesia Marginal

  • Inconformismo com “cultura oficial” brasileira;
  • Inconformismo com os moldes literários impostos pela academia;
  • Inconformismo com a censura imposta pela ditadura;
  • Proposta de uma constante inovação poética, pautada pela inventividade artística e a vitalidade criativa;
  • Inspiração nos movimentos de contracultura;
  • Elogio de uma produção cultural que estivesse fora dos padrões;
  • Busca de uma nova forma de divulgação da arte e da cultura brasileira;
  • Organização da poesia em estruturas rápidas que aliassem texto e elementos visuais;
  • Promoção de leituras imediatas, com conteúdos facilmente assimiláveis;
  • Utilização de uma linguagem coloquial, revestida de sarcasmo, ironia, humor, gírias e, inclusivamente, palavrões.

Principais poetas da Poesia Marginal

  • Chacal;
  • Cacaso;
  • Ana Cristina César;
  • Paulo Leminski;
  • Francisco Alvim;
  • Torquato Neto;
  • Waly Salomão;
  • José Agripino de Paula.

Alguns poemas da Poesia Marginal

Tenho uma folha branca
e limpa à minha espera:

mudo convite

tenho uma cama branca
e limpa à minha espera:

mudo convite

tenho uma vida branca
e limpa à minha espera.
(Ana Cristina César)

Rápido e rasteiro

vai ter uma festa
que eu vou dançar
até o sapato pedir pra parar.

aí eu paro
tiro o sapato
e danço o resto da vida.
(Chacal)

Amor bastante

quando eu vi você
tive uma ideia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante

basta um instante
e você tem amor bastante
(Paulo Leminski)

Fonte: Norma Culta

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: