Sem despedidas

De Edevaldo de Medeiros

Itapeva – SP, 21 de abril de 2019

Hoje faz um mês que Chastalo me chamou para subir.

Subimos.

Aberta a porta, vi sentado em uma cadeira, atrás de uma pequena mesa quadrada, o homem que mais desperta amor e ódio nesse país, que dedicou sua vida ao povo, que lutou contra todas as adversidades possíveis, que se fez presidente, matou fome, sede e ignorância.

Caminhei em sua direção, ele se levantou, dei-lhe um forte abraço.

Sentamos.

Contida a emoção, mirei naqueles olhos pequenos que olhavam na direção dos advogados sentados à mesa.

A voz rouca, o queixo erguido, o discurso sólido.

Ele quis saber de onde eu vinha. Falei.

Nada demovia seu olhar sereno e firme e seus lábios cerrados, até que eu disse que era filho de baiano.

Foi o primeiro sorriso. Filho de baiano, nascido na década de 40, que migrou para São Paulo nos anos 60 para ser operário. Sorriso largo.

Aquele sorriso revelava a compreensão do que me levara ali.

Em tom paternal, me disse: – Respeite-se, senão ninguém vai te respeitar. Respeite a instituição a que você pertence, pois sem as instituições não há democracia.

Falamos de política, economia e justiça.

Deu a hora e os advogados tiveram que ir. Ficamos eu e ele. Meia hora de conversa.

E como lhe dissera no início da prosa não entender de política, apanhando uma caneta e rabiscando num papel, deu-me uma lição básica.

Depois, ofereceu-me café: – Eu faço o meu café, porque sou bom nisso, disse.

Passado o café,  com o copo estendido em minha direção: – açúcar ou adoçante?

– Açúcar, presidente.

– Não tem.

Rimos.

Sentamos e bebemos o café.

Foi-se a meia hora.

Chastalo entrou.

Entreguei as cartas e as fotografias.

Mostrei a sacola de cartas da rodoviária de Brasília, seus olhos brilharam. Um novo sorriso.

Em tom de bronca: – Por que você não tirou uma foto disso, pô?

Autografadas as camisetas e bandeiras, nos despedimos.

A cena de despedida desapareceu completamente das minhas reminiscências. E se digo que houve, é por que era o que havia de acontecer.

Desci e encontrei meus amigos que aguardavam no saguão: as juízas Germana de Morelo, Raquel Braga, Magda Biavaschi e Lucy Lago; e os juízes André Machado, Maurício Brasil, Mario Sergio Pinheiro, José Augusto Neto, José Antônio Correa Francisco, Leador Machado e Rui Portanova.

Lucy esteve presente em seu espírito de luta, já que um problema de última hora a impediu de estar fisicamente conosco.

Lenice Parreira, minha eterna companheira, Zisélia da Costa, que está na vigília desde que ela começou, e Sebastião Aranha, guerreiro valoroso, estavam ali, ansiosos.

Gente que compartilha o mesmo amor pela Constituição, pela democracia e pelo Brasil, que da justiça ergue a clava forte, não foge à luta e não teme o mal, nem os que o adoram.

Tem uma gigante na prisão de Curitiba! Gigante pela própria natureza, um homem forte, honesto, sensível e corajoso.

Até breve, Presidente Lula!

Edevaldo de Medeiros – Juiz Federal

Fonte: As cartas que Lula não recebeu, p 242, Coletânea organizada por Cleusa Slaviero e Fernando Tolentino

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: